Brasileiro quer levar filho aos EUA e ameaça processar ex-mulher

Empresário pernambucano mora na Flórida, diz que filho é americano e afirma que usará Convenção de Haia para tirar filho do País

Renata Baptista, iG Pernambuco |

O empresário pernambucano Almir Couto Júnior, de 45 anos, afirma que a ex-mulher, a paraibana Isabela Cabral de Lacerda, de 25 anos, fugiu dos Estados Unidos, onde moravam, com o filho de três anos dos dois.

Almir contou ao iG, em entrevista por e-mail, que participava ativamente da criação do filho Arthur e que não autorizou ou assinou qualquer papel referente à viagem do garoto para o Brasil com a mãe.

Além de pegar a criança em dias alternados na escola, ele passava finais de semana, também alternados, com o filho. Almir afirmou que também pagava escola, plano de saúde e pensão.

Almir e Isabela se casaram em 2005 e se separam em 2006, logo após a chegada do casal em Orlando, na Flórida. Apesar de separados, os dois moravam em casas próximas, e a guarda do menino era compartilhada.

Isabela, porém, entrou com um processo na corte de Orlando em dezembro do ano passado pedindo a guarda da criança, para poder trazê-la ao Brasil. A primeira audiência de mediação está marcada para o dia 8 de fevereiro.

Almir disse que, desde então, Isabela escondia o filho dele. A última vez que ele afirma ter visto a criança foi no dia 4 de janeiro, quando o deixou na escola. Ele disse ainda que, no último dia 14, pediu para a polícia de Metrowest, em Orlando, localizar a ex-mulher, uma vez que não estava conseguindo entrar em contato com ela.

"Pedi a um policial que fosse à casa dela para constatar se meu filho estava lá. Eu já estava com medo de ela sumir. O policial foi até lá , e nem ela nem meu filho estavam. A pessoa que atendeu a porta ligou no celular de Isabela, ela disse ao policial que estava em Orlando e que meu filho estava com ela. Deus sabe onde ela estava", disse Almir.

Outro lado

Em entrevista a uma emissora de televisão paraibana, Isabela disse que o ex-marido sabia das intenções dela de voltar para o Brasil e da viagem dela e do filho para João Pessoa. Disse ainda que, assim que chegou, no último sábado, enviou um e-mail com todos os contatos dela para que ele possa encontrar o filho. Ela está morando com a criança na casa da mãe dela, onde Almir chegou a morar.

Ela disse ainda que se separou de Almir antes de Arthur nascer devido ao comportamento agressivo dele. Disse que passava dificuldades financeiras lá e que esse foi um dos motivos para querer voltar ao Brasil.

Para Almir, a ação da mulher fere as leis americanas, e como o garoto é cidadão americano, não poderia ter sido tirado do país dessa maneira. Ele disse ainda que a ex-mulher feriu a Convenção de Haia, quando é descrito que a retirada das crianças dos países de residência habitual sem autorização do pai ou da mãe é considerada ilícita.

"Espero que a Justiça seja rápida e que meu filho volte o quanto antes. Aqui é seu país e a sua cidade", disse Almir.

Isabela afirmou ter recebido orientações de advogados e que não tirou o filhos dos Estados Unidos ilegalmente. Ela afirmou ter vontade de criar seu filho em João Pessoa, perto da família e dos amigos.

    Leia tudo sobre: PernambucoParaíbaEstados Unidosfamílias

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG