A expectativa de vida no Brasil passou de 69,3 para 72,7 anos em uma década, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Um terço dos homens e um quinto das mulheres nascidos entre 2000 e 2005, porém, não chegarão nem aos 65 anos.

E, para piorar, o tempo de vida saudável dos brasileiros após os 60 anos é bem inferior ao de países desenvolvidos. No País, chega a 13,5 anos o período que os homens passam doentes e 11,5 anos, para as mulheres, revela pesquisa do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea).

As pessoas passam mais de uma década com condições de vida precárias, o que tem impacto nas finanças públicas, com perda de produtividade e custos hospitalares, diz o autor da pesquisa, Milko Matijascic, diretor do Ipea. Na comparação com outros países em desenvolvimento, a situação só é pior na Índia, Rússia e África do Sul.

Os indicadores de expectativa de vida saudável no Brasil são iguais aos que México e Argentina apresentavam no início da década de 1990 e equivalentes aos de países como Finlândia, EUA e Alemanha na década de 1970.

Até 2025, o número de idosos deve dobrar no País. Isso traz à tona novos problemas. Já sobrecarregado, o sistema de saúde brasileiro atende 20 milhões de idosos, ou 10,5% da população. Em 17 anos terá 40 milhões de pessoas com mais de 65 anos em suas filas. Nossos idosos têm, muitas vezes, péssimas condições socioeconômicas, diz a diretora do Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde, Claunara Schilling. O analfabetismo é determinante para a saúde, diz Claunara.

As pessoas com mais de 65 anos normalmente têm de três a cinco doenças associadas, diz o médico Clineu Almada, professor de geriatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Não ter nenhuma doença é privilégio para poucos idosos.

Segundo ele, 50% de seus pacientes têm menos de 60 anos. São pessoas preocupadas com a terceira idade que bate à porta. Muitos acompanharam o envelhecimento de seus pais - e as doenças que o tempo trouxe. A expectativa é ir mais longe do que eles.

Leia mais sobre Ipea

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.