Brasil reforçará fronteiras por gripe H1N1; casos vão a 977

SÃO PAULO (Reuters) - O Brasil reforçará a vigilância na fronteira com países do Sul para frear a disseminação da gripe H1N1, disse nesta quarta-feira o ministro da Saúde, José Gomes Temporão. Efetivos do Exército e da Polícia Rodoviária Federal auxiliarão nos esforços de combate ao vírus H1N1, distribuindo informações sobre a nova gripe e monitorando a fronteira com a Argentina, Uruguai e Paraguai.

Reuters |

"O momento é de tranquilidade. O ministério está dando todo o apoio às secretarias de saúde e às prefeituras do Rio Grande do Sul", afirmou Temporão durante audiência pública na Câmara dos Deputados, segundo a Agência Brasil.

Dos 977 casos confirmados da doença no país, 118 foram no Rio Grande do Sul, que registrou a única morte pela nova gripe no Brasil. O Estado de São Paulo tem o maior número de casos, com 444 registros.

De acordo com o Ministério da Saúde, 359 casos confirmados foram importados da Argentina, país que já registrou 70 mortes causadas pelo novo vírus.

"Houve muita crítica quando eu recomendei que as pessoas evitassem viajar, mas a realidade mostra que aquela conduta foi prudente", disse Temporão sobre as recomendações do ministério para o adiamento de viagens a áreas com circulação sustentada da doença.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), Argentina, Estados Unidos, México, Canadá, Chile, Austrália e Reino Unido têm transmissão sustentada do vírus.

CASO GRAVÍSSIMO

Nesta quarta-feira, o Ministério da Saúde confirmou 72 novos casos de gripe H1N1 no país. Segundo a pasta, 2.973 casos são considerados suspeitos e outros 1.538 casos foram descartados.

Ao menos dois pacientes seguem internados no Brasil, um em Minas Gerais e outro no Rio Grande do Sul.

Em Belo Horizonte, é "gravíssimo" o estado de saúde de um paciente de 27 anos internado há 9 dias no Hospital das Clínicas, após piora registrada nesta quarta-feira, informou o hospital.

Em Santa Maria (RS), médicos diagnosticaram uma fibrose pulmonar secundária na paciente de 14 anos internada há 17 dias na UTI do Hospital Universitário. Ela respira com ajuda de aparelhos e não há previsão de alta, segundo o hospital.

O próximo balanço de gripe a ser divulgado pelo Ministério será na sexta-feira. A partir da próxima semana, o boletim com os casos registrados no país será distribuído apenas às quartas-feiras, e não mais diariamente.

Segundo Temporão, esta decisão se dá pelo "esforço muito grande" para a elaboração de um boletim diário e que a nova medida "não vai reduzir em nada a transparência".

De acordo com a OMS, foram confirmados mais de 95.000 casos da nova gripe em todo o mundo, com cerca de 430 mortes.

(Por Hugo Bachega)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG