RIO DE JANEIRO (Reuters) - Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com base nos dados da Pnad, do IBGE, mostra que o Brasil está adiantado no cumprimento da primeira das Metas do Milênio, estabelecidas pela ONU, de reduzir à metade a extrema pobreza. Em 2001, 17,3 por cento da população estava na extrema pobreza (viviam com renda per capita mensal inferior a 87 reais). Em 2007, esse percentual caiu para 10,2 por cento.

A queda média ao ano foi de 7,2 pontos percentuais e a meta era de reduzir 2,2 pontos percentuais ao ano.

'A extrema pobreza está caindo em uma velocidade 3 vezes maior do que o proposto pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento)... O que fizemos não foi um milagre; foi um conjunto de políticas públicas que precisam continuar e melhorar', afirmou o economista do Ipea, Ricardo Paes de Barros, que estima em um dígito o percentual em 2008.

O Ipea aponta ainda que a desigualdade social no Brasil diminuiu de forma acelerada entre 2001 e 2007. O índice de Gini, que mede o grau de distribuição de renda, caiu 1,2 ao ano no período ou 7 por cento de 2001 a 2007.

'Se olharmos nossa desigualdade, ela ainda é uma das maiores do mundo, mas estamos entre os países que mais reduzem desigualdade no mundo', disse Paes de Barros.

Entre 2001 e 2006, a renda per capita dos 10 por cento mais pobres cresceu 7 por cento ao ano, enquanto a dos 10 por cento mais ricos aumentou 1 por cento ao ano.

'Os 10 por cento mais ricos crescem como se estivessem no Senegal, e os 10 por cento mais pobres como se estivessem na China', comparou Paes de Barros ao lembrar que o Brasil já esteve entre os 5 por cento dos países com a maior desigualdade de renda e hoje está no grupo dos 10 por cento mais desiguais no mundo.

Apesar do avanço, de acordo com o Ipea, o Brasil ainda está longe de um nível 'aceitável' de distribuição de renda. O instituto estima que serão necessários mais 18 anos de redução da desigualdade, no ritmo observado entre 2001 e 2007, para que a posição internacional do Brasil com relação à renda média dos 20 por cento mais pobres se alinhe com a posição do país quanto à renda per capita.

'O caminho pela frente é muito longo... Hoje, 61 por cento dos 126 países analisados no mundo têm renda per capita menor que a do Brasil. Mas quando olhamos para os vinte por cento mais pobres, esse número baixa para 46 por cento', declarou Paes de Barros.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.