Brasil extradita coronel acusado de integrar Operação Condor

BRASÍLIA - O Brasil extraditou neste sábado para a Argentina o coronel uruguaio da reserva Manoel Cordero, acusado de cometer crimes contra os direitos humanos no período do regime militar que governou o país entre 1976 e 1983.

iG São Paulo |

AFP
De ambulância, o militar reformado Manuel Cordero é transferido para Uruguaiana

De ambulância, militar Manoel Cordero é transferido para Uruguaiana

Segundo um porta-voz da Polícia Federal em Brasília, Cordero foi entregue numa ambulância a autoridades argentinas na cidade de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul.

O militar uruguaio teria particpado da Operação Condor, realizada na década de 1970 e que consistia em operações conjuntas dos regimes militares que dominavam a América do Sul para reprimir opositores.

Acusações

A extradição foi requisitada pela Justiça da Argentina, que pretende julgá-lo pelo desaparecimento de dez pessoas e o sequestro de um bebê. Ele também é apontado como autor de torturas em 32 prisioneiros políticos e estaria envolvido nos assassinatos de dois parlamentares uruguaios, ocorridos em 1976, em Buenos Aires.

Cordero foi preso no Brasil em fevereiro de 2007, e o Supremo Tribunal Federal decidiu pela sua extradição para a Argentina em agosto do ano passado.

Na capital argentina, o militar da reserva é esperado pelo juiz Norberto Oyarbide, encarregado das investigações sobre a Operação Condor.

(*com informações das agências Estado e Reuters)

Leia mais sobre Manoel Cordero

    Leia tudo sobre: operação condor

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG