Brasil está bem na fita, diz Minc sobre medidas para proteger a camada de ozônio

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, afirmou nesta quarta-feira que o País está ¿bem na fita¿ quando o assunto são as medidas para proteger a camada de ozônio.

Agência Brasil |

Ao participar das comemorações do Dia Internacional de Proteção da Camada de Ozônio, ele anunciou a doação de um equipamento de origem alemã que vai auxiliar na troca de gás CFC (clorofluorcarbono) em geladeiras velhas.

Minc lembrou que as novas geladeiras não possuem mais CFC, mas que as velhas, ao serem levadas para o conserto ou mesmo para o ferro-velho, passam por um processo onde o gás poluente é liberado.

A estratégia do governo, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), é capacitar os próprios mecânicos que trabalham no conserto de geladeiras para que a liberação do gás não ocorra.

Hoje em dia, o sujeito corta, joga o gás lá para cima, conserta a geladeira e põe um gás novo. A instrução que a gente deu é extrair o gás, filtrá-lo e comprimi-lo e, depois do conserto, injetá-lo de volta, explicou Minc.

Campanhas de conscientização

O ministro afirmou ainda que no Brasil faltam campanhas de conscientização para orientar as pessoas como se proteger dos efeitos de raios ultravioleta, cada vez mais intensos por causa dos danos à camada de ozônio. A pessoa acaha que porque toma sol desde pequena ou porque é muito morena, não precisa do protetor, disse.

Para o médico, especialista em câncer de pele, Reinaldo Santana não falta informação ao brasileiro. O problema, segundo ele, é mesmo a preguiça em usar o protetor. Uma pesquisa realizada em Minas Gerais ouviu 750 pessoas ¿ 42% delas afirmaram ter preguiça de se prevenir com o uso diário do produto.

Ele lembrou que o protetor solar ainda tem um preço elevado e que isso pode dificultar o hábito, mas destacou que essa não deve ser a única forma de prevenção ao câncer de pele. É um conjunto de medidas, desde a roupa adequada à proteção.

A estratégia, de acordo com o médico, deve ser o trabalho de disseminar a informação nas escolas. A professora Maria de Fátima da Silva admite que o trabalho de conscientização das medidas de prevenção aos raios ultravioleta ainda é tímido e que a divulgação precisa ser mais intensa. A colega Iara Gonçalves, também professora de uma escola pública, acredita que, ao se investir na conscientização das crianças, incentiva-se os cidadãos a terem mais cuidado com a natureza.

Leia mais sobre meio ambiente

    Leia tudo sobre: meio ambienteozôniopoluição

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG