Brasil espera que referendo na Bolívia reconcilie o país

RIO DE JANEIRO, 8 de agosto (Reuters) - O governo brasileiro espera que o referendo que confirmará ou não os mandatos do presidente Evo Morales e de oito governadores da Bolívia, no domingo, pacifique o país, disse nota divulgada na sexta-feira pelo Planalto. Assinada pelo assessor de política externa do presidente, Marco Aurélio Garcia, a nota expressa o desejo de que a manifestação livre e pacífica dos bolivianos contribua para o fortalecimento do Estado de Direito e para a reconciliação nacional no país vizinho.

Reuters |

A nota reitera o que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse a Morales, no último encontro entre os dois, em Riberalta, para celebrar empréstimo do BNDES para obras viárias na Bolívia.

Lula afirmou confiar que a Bolívia 'continue consolidando sua democracia e construindo um país de oportunidades para bolivianos de todas as origens e de todas as regiões' e que 'o povo irmão deste país consiga superar as dificuldades conjunturais pela via do exercício da democracia e do entendimento'.

Pesquisas dizem que Morales deve conseguir no domingo os votos suficientes para permanecer no poder, o que legitimaria suas reformas socialistas, que incluem reforma agrária e estatização parcial da economia.

Às vésperas do referendo, a Bolívia está conflagrada. Nesta semana, duas pessoas morreram em manifestações sindicais, e Morales teve de suspender dois comícios e uma reunião com os colegas de Venezuela, Hugo Chávez, e Argentina, Cristina Kirchner, devido a protestos contra o governo.

(Texto de Mair Pena Neto; Edição de Maria Pia Palermo)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG