Bombeiros fazem nova tentativa de içar barco afundado em Brasília

Ponta do barco já pode ser vista fora da água

Naiara Leão, iG Brasília |

Os bombeiros retomaram na manhã desta sexta-feira a operação de retirada do barco que afundou no Lago Paranoá , em Brasília, no último domingo (22). Neste momento, a ponta do barco já pode ser vista fora da água. Até o final do dia, o Corpo de Bombeiros e a Marinha tentavam colocar o barco na horizontal para levá-lo até a margem (veja vídeo).

nullCinco balões de ar foram usados para fazer a embarcação se desprender do fundo lago e flutuar na vertical. Um rebocador deve puxar a ponta do barco até que ele fique na horizontal e seja arrastado para as margens do Paranoá. 

Quatro duplas de mergulhadores se revezaram a partir das 10h no reposicionamento de dois dos quatro balões de ar que foram presos ao barco ontem. Esta etapa foi concluída por volta das 11h30 e agora eles trabalham para inflar os balões de ar que devem forçar a subida do barco.

Ontem, quando os mergulhadores começaram a encher os balões com cilindros de ar e mangueiras, eles se viraram para a parte interior do barco . Hoje, às 7h da manhã, cerca de 30 mergulhadores e peritos se reuniram na base de resgate dos bombeiros, no clube da Associação dos Servidores da Câmara dos Deputados (Ascade) para repensar a operação.

Ontem pela manhã, a Major Vanessa Signalli do Corpo de Bombeiros, afirmou que a previsão era de que a operação durasse um dia. Mas no final da tarde, os bombeiros começaram a admitir a possibilidade de estendê-la no final de semana.

“Surgiram situações que não prevemos e a condição do barco é muito delicada. Todo o peso está concentrado na popa, onde todos os objetos se acumularam”, afirma o Coronel Luiz Blumm, que coordena a operação de reflutuação.

O Imagination pesa 15 toneladas e afundou a 17 metros de profundidade inclinado na diagonal, com o casco para cima e a popa presa ao fundo do rio. Depois que os dois balões presos à proa foram enchidos, o barco teve um pequeno deslocamento e está na vertical.

A reflutuação será feita com a ajuda de um barco rebocador e de balões que suportam de 500 quilos a seis toneladas de ar. O plano inicial dos bombeiros era colocar dois deles na ponta da embarcação pesando no total quatro toneladas e outros dois nas laterais somando juntos uma tonelada. Mas foi necessário acrescentar um quinto balão no meio da embarcação.

A intenção é estabilizar os pontos mais frágeis do barco para que ele volte inteiro à superfície. Se for danificado durante a retirada, a perícia terá o trabalho extra de identificar o que foi danificado no naufrágio ou no içamento.

Naiara Leão
Depois de colocar a proa para fora da água, bombeiros se preparam para levar barco Imagination até a margem

Entenda a operação

Por volta de 11h de quinta-feira, começou a primeira etapa da operação em que mergulhadores amarraram balões de ar vazios na embarcação. Cinco horas depois, outros mergulhadores do Corpo de Bombeiros começaram a inflar os balões ao poucos usando cilindros de ar e mangueiras. Paralelamente, aconteceu o trabalho de prender ao barco uma corrente amarrada em um rebocador.

Ao perceber que dois dos balões não estavam em posição ideal, os mergulhadores suspenderam o enchimento dos outros. Hoje, os bombeiros reposicionaram os balões com problemas e inflaram os outros. Assim a embarcação se desprendeu do fundo e flutua no lago.  

Os mergulhadores podem colocar um colchão de ar embaixo dela para que a ponta não sustente sozinha todo o peso e corra o risco de se quebrar. Outra possibilidade é colocar novos balões para levantar a popa. Há ainda uma terceira forma de levantar a traseira do barco: usar um guincho preso a uma das margens do rio.

nullBarco afundou com mais de 100 passageiros

No dia em que naufragou, o Imagination saiu do Ícone Park, no lago sul, por volta das 19h30, segundo a Delegacia Fluvial de Brasília. Pelo menos 102 pessoas a bordo participavam de uma festa e pagaram entre R$ 50 e R$ 60 pelo ingresso.

O comandante Airton Carvalho da Silva Maciel notou a embarcação inclinada para a esquerda  e teria pedido aos passageiros para ficarem à direita, para “compensar” o peso, segundo afirmou, mais tarde, em depoimento à polícia.

Por volta das 20h30, o barco começou a naufragar. De acordo com os relatos do comandante da embarcação e dos passageiros, o barco afundou rápido, em menos de dez minutos. Foram resgatadas 93 pessoas e 9 corpos. Entre os mortos havia uma menina de dez anos e um bebê que chegou a ser resgatado com vida e não resistiu.

Uma moradora de um condonímio do Lago Sul disse que viu, da janela de sue apartamento, toda a a movimentação do resgate (veja vídeo). " Vi o barco da festa passando e depois todas aquelas luzes e helicópteros. Então percebi que uma tragpedia tinha contecido", conta a professora de educação física Elaine Wetler. 

    Leia tudo sobre: barcobrasílianaufrágioimaginationparanoá

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG