Bombeiros de Goiás retomam buscas por corpo de inglesa esquartejada

GOIÁS - O Corpo de Bombeiros de Goiás retomou, na manhã desta sexta-feira, os trabalhos de busca pelo corpo da jovem Cara Marie Burke, de 17 anos, morta e esquartejada por Mohamed DAli Carvalho dos Santos, de 20 anos. A primeira fase das buscas havia sido encerrada no final da tarde desta quinta-feira.

Redação |

O suspeito do crime, Mohamed, acompanha a equipe de busca para indicar aos policiais onde jogou os membros da jovem.

Segundo informações do Corpo de Bombeiros e da Polícia Civil, as buscas já estão sendo realizadas e estão concentradas na cidade de Bolsinópolis, interior de Goiás.

Futura Press
O tronco de Cara Marrie foi encontrado dentro de uma mala, na última segunda-feira, às margens do Rio Meia Ponte, na Região Leste da Capital. 

Carvalho foi preso na tarde desta quinta-feira acusado pela morte de Cara. Segundo a polícia, ele confessou o crime e diz que matou a menina por se sentir ameaçado já que Cara estaria ameaçando contar para seus pais que ele era viciado em cocaína.

"Extremamente frio"

"Não tem nem descrição para uma pessoa dessas. Ele é totalmente desprovido de Deus e de qualquer semelhança com o ser humano. Foi assim que o major Cláudio de Oliveira, comandante do Batalhão de Ronda Ostensiva Tática Metropolitana (Rotam), definiu Mohamed. Ele é extremamente frio, completou.

De acordo com o Major, Mohamed não ofereceu resistência à prisão, confessou o crime e contou detalhes de como o cometeu.

Cúmplice no crime

O delegado adjunto da delegacia de homocídios de Goiás, Kleyton Alencar, disse que a polícia fez avanços no sentido de identificar um suposto homem que ajudou Mohamed a transportar o corpo de Cara.

"Pelo que apuramos, esse homem, conhecido como Jorginho, era amigo de Mohamed e tinha conhecimento do que transportava, o que o coloca como co-autor do assassinato", disse. "Estamos trabalhando para capturá-lo, e já conseguimos informações que vão nos ajudar", completou.

Grau de relacionamento

A polícia investiga também o grau de intimidade entre Mohamed e Cara. Oficialmente eles seriam apenas amigos, mas essa versão também está sendo investigada. "Eles moraram juntos três meses, se viam com freqüencia, é possível que tenham sido mais que amigos", disse Kleyton.

Com reportagem de Felipe Leal e Gregório Russo, do Último Segundo

Leia mais sobre: assassinatos

    Leia tudo sobre: assassinato

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG