BNDES reduz taxas para financiamento de bens de capital

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, detalhou a redução no custo de seus financiamentos provocada por uma série de medidas do governo anunciadas nesta segunda-feira. Com o objetivo de impulsionar os investimentos no país, o governo anunciou a redução da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) de 6,25 para 6,0 por cento e uma equalização de juros pelo Tesouro Nacional que pode chegar a 42 bilhões de reais.

Reuters |

Os juros para aquisição e produção de máquinas e equipamentos nas linhas Finem, Finame, Finame Agrícola e BNDES Automático foram reduzidos de 10,25 para 4,5 por cento ao ano, exceto para aquisição de ônibus e caminhões (que terá taxa fixa de 7 por cento).

"Temos aqui uma linha em moeda nacional que é igual à meta de inflação, portanto é um juro real zero para bens de capital nesses próximos seis meses de travessia", disse Coutinho.

"É importante congregar o setor privado a investir, a aproveitar esta oportunidade para investir nesses próximos meses antecipando e se preparando para o crescimento em 2010 e 2011."

Coutinho disse ainda que o custo de financiamento na linha pós-embarque do BNDES-Exim foi reduzida de Libor mais 5 por cento para Libor mais 3 por cento. No caso do pré-embarque, a taxa caiu de 12,05 para 4,5 por cento.

Também foi criado um programa de refinanciamento de dívidas de empresas produtoras de bens de capital, com prazo de 12 meses, sendo até seis de carência.

A redução de taxas e o prazo para requisitar o refinanciamento vão até 31 de dezembro.

O BNDES anunciou ainda que, para estimular o desenvolvimento de novos produtos, o programa Pró-Engenharia poderá financiar a engenharia dos setores de bens de capital, cadeia de fornecedores para petróleo e gás e também o naval, aeronáutico, aerospacial, nuclear, de defesa nacional e automotivo. O orçamento será de 4 bilhões de reais, com vigência até o final de 2010.

O banco também reduziu até o fim deste ano as taxas de duas linhas direcionadas ao financiamento à inovação.

(Por Natuza Nery; Texto de Daniela Machado; Edição de Alexandre Caverni)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG