BNDES deve financiar US$1,8 bi em jatos Embraer em 2010

Por Cesar Bianconi SÃO PAULO (Reuters) - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ampliará em 2010 pelo segundo ano seguido sua participação no financiamento de vendas de aviões pela Embraer.

Reuters |

A crise econômica e de crédito no final de 2008 fez as linhas de financiamento internacionais secarem para companhias aéreas. Diante disso, a presença do banco de fomento como fonte de recursos para os clientes da Embraer vem numa crescente.

Para 2010, o presidente-executivo da fabricante de jatos, Frederico Curado, calcula que o BNDES financiará cerca de 60 por cento dos aviões que forem entregues a clientes no segmento de aviação comercial.

Com base nas projeções de receita para o ano que vem --de pouco menos de 5 bilhões de dólares, sendo três quintos disso com aviões civis--, chega-se a um total de quase 1,8 bilhão de dólares em desembolsos pelo BNDES a clientes da Embraer nos próximos 12 meses.

Em 2009, disse Curado, o BNDES terá financiado, no encerramento do ano, de 30 a 35 por cento das vendas de jatos comerciais pela empresa.

No ano passado, a contribuição do BNDES nos financiamentos de jatos comerciais foi de pouco mais de 10 por cento --até setembro de 2008, mês de colapso do banco norte-americano Lehman Brothers, a liquidez de crédito era farta e muitos clientes da Embraer já tinham assegurado financiamento, o que explica a baixa presença do BNDES naquele exercício.

"Os bancos (comerciais) ainda estão muito fechados para financiar aviões. Em 2010, o financiamento ainda será um problema, mas a demanda por novos aviões será um desafio ainda maior", afirmou Curado a jornalistas, durante almoço de fim de ano com a imprensa.

"Está tudo bem engatilhado para cumprirmos as entregas em 2010, com BNDES e algumas linhas internacionais. Não vamos usar nosso balanço para financiar clientes", acrescentou, sem revelar a previsão de entregas da Embraer para o próximo ano.

No final de outubro, a fabricante reduziu pela terceira vez sua meta de entregas para 2009, para cerca de 232 jatos.

Em fevereiro, a Embraer demitiu cerca de 4.200 empregados, ou 20 por cento de sua força de trabalho, sentindo os efeitos da retração da economia global que fez companhias aéreas cancelarem ou postergarem encomendas de aviões.

"A empresa está ajustada. Não temos plano para qualquer ação mais forte, seja em redução de pessoal ou investimentos", afirmou Curado.

Ainda assim, o cenário segue desafiador. O presidente da Embraer acredita que 2010 será um ano tão ou mais difícil para as fabricantes de aviões do que 2009. "As companhias aéreas estão perdendo dinheiro este ano e vão perder no ano que vem. Os sinais de recuperação no exterior são relativamente frágeis."

BRASIL DESPONTA

No front interno, a situação é outra. A receita da Embraer com vendas no Brasil vai atingir a cifra inédita de 500 milhões de dólares neste ano, representando cerca de 10 por cento do faturamento total projetado pela empresa --historicamente, essa fatia fica entre 3 e 6 por cento.

O presidente da Embraer mencionou os contratos com as companhias aéreas nacionais Azul e Trip, e citou ainda o sucesso do jato executivo Phenom 100 no país, com entre 10 e 15 unidades do modelo voando atualmente no Brasil.

Os investimentos estimados para 2010 --que ainda passarão pelo crivo do Conselho de Administração-- deverão ficar em patamar próximo ao deste ano, em 350 milhões de dólares.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG