Blocos de rua dão a largada hoje no pré-carnaval de SP

Os blocos de rua começam hoje uma maratona carnavalesca nas ruas da capital paulista. À noite, quando o Bloco Unidos da Maria Antônia (B.

Agência Estado |

U.M.A.) iniciar seu desfile nas ruas da Vila Buarque, terá começado o pré-carnaval de São Paulo, que até a próxima sexta-feira atrairá foliões em vários bairros da cidade todos os dias, menos na terça-feira. Serão dez blocos ao todo, cada um com pelo menos 5 mil pessoas. Só a B.U.M.A. pretende reunir 15 mil foliões.

A abertura oficial do pré-carnaval foi no sábado passado, mas apenas um bloco desfilou, o Grande Família, que levou 500 pessoas às ruas do Brooklin, na zona sul, segundo os organizadores. De acordo com o cronograma da Associação das Bandas Carnavalescas de São Paulo (Abasp), que reúne os blocos oficiais - também chamados de bandas - do pré-carnaval paulistano, cerca de dois blocos vão apresentar seus repertórios por dia. O B.U.M.A., que abre a programação às 19 horas, é composto predominantemente por jovens e universitários, todos embalados pelo axé baiano.

"Eu toco o que o pessoal conhece. Se eu colocar uma marchinha eles vão me xingar", justifica o presidente da B.U.MA, João Carlos, conhecido como 'Midi Night'. Segundo ele, o trio elétrico, que trará um cantor, oito músicos e três bailarinas, pretende arrastar uma multidão que pode chegar a 15 mil pessoas pelas ruas da Vila Buarque até as 23 horas. "Se a Prefeitura permitir, a apresentação acontecerá até a meia-noite", conta.

No bairro Cambuci, o Bloco da Ressaca, um dos mais tradicionais do carnaval de rua, fará um desfile especial de aniversário de 25 anos. "O nosso jubileu de prata será o tema da nossa apresentação", conta o secretário-geral do bloco, Marcelo Delle Cave. Segundo ele, a apresentação privilegia todos os públicos. "No começo, temos uma banda de 40 metais que toca as marchinhas, mais para o meio temos um trio elétrico que mostrará os ritmos da Bahia e por fim, uma bateria", diz. "E a novidade deste ano é que teremos uma apresentação do Osvaldinho da Cuíca." A expectativa da organização é levar cinco mil pessoas pelas ruas do bairro, na região central da capital paulista.

Já a mais antiga banda paulista a se apresentar nas ruas da cidade não abandona suas raízes. Filha da já extinta Banda Bandalha, criada pelo dramaturgo Plínio Marcos, a Banda Redonda mostra aos paulistanos as tradicionais e conhecidas marchinhas desde a sua fundação, em 1974. "Nós começamos com 300, 400 pessoas", lembra Carlão. "Hoje nós já saímos da Rua Theodoro Baima com seis mil pessoas e, quando chegamos lá no Teatro Municipal, há umas 14, 15 mil pessoas."

Silêncio

Cada banda e bloco tem seu estilo e seu público, mas pelo menos em relação a um assunto todos falam a mesma língua: a falta de dinheiro. Os líderes dos blocos dizem que os desfiles são feitos na raça. Este ano, segundo eles, a São Paulo Turismo (SPTuris) destinou R$ 147 mil à Abasp. "Esse valor é irrisório. No final temos que colocar do nosso bolso", diz Candinho Neto, presidente da Abasp e organizador da Banda do Candinho.

De acordo com ele, os recursos são destinados à montagem da infraestrutura do evento, como carro de som, bandas, segurança e banheiros químicos. 'Midi Night', da B.U.M.A., reclama também das restrições da Lei do Silêncio. "Lá na Rua Maria Antonia, 17 prédios fizeram abaixo-assinado para proibir o trio elétrico. Eu tive que ir até o Palácio dos Bandeirantes para conseguir desfilar este ano", conta.

O presidente do Bloco Grande Família, Atílio Alves de Sousa, o 'Piu-Piu', chega a dizer que a restrição ao som alto é o grande problema enfrentado durante o desfile. "Apesar de sermos oficiais, eles querem tirar a gente da rua e sempre colocam empecilhos", afirma. "O pessoal acha que é brincadeira, mas quando vamos para as ruas de São Paulo é pra valer",diz o presidente da Abasp.

Como participar

A participação nos blocos é livre e o percurso é de aproximadamente dois quilômetros. Os blocos fazem concentração num ponto de seus bairros antes de começarem a percorrer as ruas. Quem quiser participar pode obter informações sobre os pontos de partida, os percursos e o horário de saída no site Cidade de São Paulo , clicando no link "pré-carnaval". A Abasp informou que, dos blocos e bandas listados no site, três não participarão do pré-carnaval este ano: Barracão da Folia, Banda do Fuxico e Bloco dos Esfarrapados.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG