Bispo que tentou impedir aborto de criança no Recife é premiado

RECIFE - O arcebispo de Olinda e Recife, dom José Cardoso Sobrinho, que tentou impedir o aborto legal de uma menina de nove anos estuprada pelo padrasto e grávida de gêmeos, recebe nesta quinta-feira, no Recife, o Prêmio Cardeal Von Galen, concedido pela instituição norte-americana Human Life International (HLI).

Agência Estado |

Sua atitude foi considerada "heroica" pela instituição, que premia atitudes em defesa da vida independente de raça, classe social ou religião.

O prêmio foi entregue pelo diretor da instituição para países de língua portuguesa, Raymond de Souza, e pelo chefe do birô da HLI em Roma, monsenhor Ignacio Barreiro-Carambula.

Eles estiveram no Recife exclusivamente para prestar a homenagem ao arcebispo, que foi alvo de duras críticas dentro e fora do País por vários setores da sociedade, incluindo integrantes da igreja e o presidente Lula, especialmente depois que anunciou a excomunhão da Igreja Católica da equipe médica que fez o procedimento e da mãe que o autorizou.

"Foi uma surpresa muito grande para mim", reagiu o arcebispo, que afirmou que o prêmio não é pessoal, dele, mas da Igreja Católica. Ele lembrou que o Papa Bento XVI, em fevereiro, em conversa com o embaixador do Brasil junto à Santa Sé, defendeu a vida humana "desde a concepção". Ele disse "apenas ter seguido os princípios da Igreja e do Direito Canônico."

Ao destacar ter recebido solidariedade de pessoas de vários países - exemplificou com Austrália e Suécia - o arcebispo afirmou que se tivesse ficado em silêncio diante do episódio, estaria sendo cúmplice, "quase conivente". "Cumpri meu dever", resumiu.

Para Raymond de Souza, a atitude de dom José foi heroica não somente por ele ter tentado impedir o aborto, defendendo a vida de três crianças - a menina grávida e as duas crianças que estavam em seu ventre. "Ele ousou enfrentar a mídia do mundo todo, ele não teve medo da impopularidade", afirmou.

A menina, que morava em Alagoinha, no agreste pernambucano, era abusada sexualmente pelo padrasto desde os seis anos. O padrasto foi preso. O aborto foi realizado na noite do dia quatro de março no Centro Amaury de Medeiros (Cisam), depois que dom José conseguiu sustar o procedimento que seria realizado no Instituto Materno Infantil (Imip), onde a criança havia sido internada anteriormente. Não havia necessidade de autorização judicial para o aborto porque ele é permitido em casos de estupro e de risco de vida para a gestante - a menina estava enquadrada nos dois casos.

O Human Life International foi fundado há 40 anos e está presente em 86 países. O prêmio Von Galen (em homenagem ao cardeal alemão que lutou contra o nazismo) foi criado há quatro anos. Seis personalidades o receberam desde então.

Veja também:

Leia mais sobre: abuso sexual

    Leia tudo sobre: aborto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG