Bilheteria de filme de Lula decepciona na estreia

SÃO PAULO ¿ A largada frustrou a expectativa. O Brasil está na moda, Lula é aclamado como uma das pessoas mais poderosas do mundo pela imprensa internacional e o cinema brasileiro teve um ano de gala nas bilheterias. Mesmo assim, apesar de todo estardalhaço e com tudo conspirando a favor, ¿Lula, o filho do Brasil¿ estreou abaixo do esperado.

Marco Tomazzoni, iG São Paulo |

Divulgação

Na segunda semana, filme continua em cartaz no mesmo número de salas da estreia

Em seu primeiro final de semana, o filme de Fabio Barreto (que continua internado em estado grave ) foi exibido em 354 salas do País ¿ ao contrário das 500 especuladas inicialmente ¿ e, em três dias de exibição, levou 193 mil pessoas aos cinemas. O paralelo com "Se Eu Fosse Você 2" é inevitável. Lançada no mesmo período do ano passado, a comédia de Daniel Filho se tornou a maior abertura da Retomada ¿ 570 mil espectadores ¿ e, nas semanas seguintes, chegou a um público recorde de 6 milhões. Outros sucessos do cinema nacional também tiveram melhor sorte no primeiro final de semana: "Carandiru" fez 470 mil e "Dois Filhos de Francisco", 315 mil.

A história real de como Lula saiu do sertão pernambucano e se tornou um influente líder sindical, temperada por dois casamentos e uma tocante relação com dona Lindu, sua mãe, custou R$ 16 milhões, recorde para a indústria nacional, dos quais R$ 4 milhões exclusivos para marketing. Nem a concorrência com os camelôs é uma ameaça. A reportagem do iG não encontrou o filme para venda nas principais avenidas de São Paulo e o Conselho Nacional de Combate à Pirataria do Ministério da Justiça está alerta para cópias nos cinemas. O que aconteceu, então, para uma das maiores promessas do ano decepcionar na estreia?

Divulgação

Exibição muito antes da estreia teria
prejudicado carreira de "Lula"

Na opinião de Pedro Butcher, editor da Filme B, empresa especializada em números do mercado cinematográfico, a estratégia de lançamento do filme foi arriscada demais. "Lula" teve sua pré-estreia muito antes, na abertura do Festival de Brasília, em novembro, e ganhou sessões especiais nas semanas seguintes. A enxurrada de críticas negativas e reportagens que surgiram a partir daí, boa parte questionando um possível interesse eleitoreiro do longa-metragem, chamaram muita atenção antes da estreia. "Claro que essas exibições iam gerar reações das mais variadas", aponta Butcher, "não sei se foi uma ideia muito boa".

A recepção negativa surpreendeu até a Downtown Filmes, distribuidora da cinebiografia. A expectativa inicial, de um potencial enorme, se tornou o temor de um fracasso retumbante. "Diante do massacre a que o filme foi submetido pelos meios de comunicação em torno de questões políticas, temíamos pelo pior", reconhece Bruno Wainer, diretor da empresa. "Nunca vi isso, acho extremamente injusto com o projeto."

Segundo ele, a projeção é de que "Lula, o filho do Brasil" tenha acumulado 400 mil ingressos até ontem ¿ mais que o dobro da bilheteria do final de semana. "Em relação à expectativa às vésperas do lançamento, já respirei aliviado. Depois de um mês e meio de gente acusando o filme de tudo que é jeito, isso é um milagre, uma prova de resistência. Não foi um número tão ruim para jogar a toalha, nem tão sólido para abrir champagne", argumenta.

Para o crítico Ricardo Calil, colunista do iG , é fato que a cinebiografia não foi o "estouro" que previa Luiz Carlos Barreto, cujo otimismo sugeria até a quebra do recorde de 12 milhões de espectadores de "Dona Flor e Seus Dois Maridos", dirigido por seu outro filho, Bruno. "Dá para cravar com relativa certeza que isso não vai acontecer. O primeiro final de semana indica que nem com um milagre o filme vai chegar nesse resultado."

Como se não bastasse, neste início de 2010 a concorrência no circuito exibidor está sendo maior do que o normal. Pedro Butcher explica que janeiro em geral é um período bom para o cinema brasileiro, livre de grandes lançamentos ¿ concentrados em junho e julho, verão no hemisfério norte ¿, uma entressafra entre blockbusters e os concorrentes ao Oscar. A zebra ficou por conta de "Avatar", que estreou atipicamente em dezembro e caminha a passos largos para se tornar o segundo filme mais visto de todos os tempos. "É uma produção lançada fora de época que está funcionando muito bem, fica difícil ceder", diz Butcher.

* Com reportagem de Augusto Gomes

Assista ao trailer de "Lula, o filho do Brasil":

Leia também:

Leia mais sobre: "Lula, o filho do Brasil"

    Leia tudo sobre: cinema brasileirolulao filho do brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG