RIO DE JANEIRO ¿ Mesmo quem não tem como gastar uma fortuna em livros na 14ª edição da Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro pode se divertir com algumas novidades gratuitas na feira literária. Voltada ao público infanto-juvenil, a Floresta de Livros, com 800 metros quadrados, é um dos melhores espaços para as crianças se divertirem e aprenderem. Ao entrar, elas se vêem num labirinto de árvores, cujos galhos são do formato de letras e formam palavras que mudam de sentido dependendo do ângulo de visão. Saindo do chão, caixas de som narram de trechos de famosos contos infantis.

Divulgação/Gingafotos

Crianças já tomam conta da Floresta do Livro, uma das principais novidades deste ano

Já no estande do Guinness Book, o livro dos recordes, jovens e adultos se divertem com o maior conjunto de palavras-cruzadas diretas do mundo, produzido no Brasil. O público tem a oportunidade de ajudar a finalizá-la. Até a manhã desta sexta-feira, boa parte já havia sido preenchida, mas ainda faltava mais da metade para completar.

Outro que está muito longe de ser finalizado é o gigantesco Caça-palavras importado da França. O estudante de fisioterapia Ramon Martins Rodrigues da Silva, de 24 anos, achou duas em 20 minutos de busca. Eu encontrei primeiro a palavra objeto. Mas fui falar com um amigo e a perdi de vista de novo. Só fui encontrar dez minutos depois. Estava ali na minha cara, mas esse negócio é muito grande, confunde a cabeça, brincou.

Já no stand da Panini Comics, mesmo quem não é fã de quadrinhos aproveita para tirar fotos com um boneco do personagem Hulk. Durante a Bienal, a editora irá lançar livro MSP 50 Anos ¿ Mauricio de Sousa por 50 Artistas, uma homenagem ao 50 anos do criador da turma da Mônica, que reúne histórias criadas por grandes artistas nacionais, como Ziraldo e Laerte.

E mesmo para quem não quer sair de mãos vazias da feira, é possível pechinchar. Em alguns stands encontram-se obras de escritores renomados por preços que variam entre R$ 2 e R$ 10. Entre os exemplos de livros baratos estão: "A Moreninha", de Joaquim Manoel de Macedo; "Quincas Borba", "Memórias Póstumas de Brás Cubas" e "Dom Casmurro", de Machado de Assis; "O Capital", de Karl Marx; "Os Sertões", Euclides da Cunha; além de obras variadas do filósofo alemão Friedrich Wilhelm Nietzsche.   
A programação do final de semana da Bienal promete muita correria dos fãs. No final de semana, no Auditório Euclides da Cunha, a autora do best-seller O Diário da Princesa, Meg cabot, participa às 15h da sessão Minha vida de princesa. Hoje, ela disponibilizou a parte da tarde para distribuir autógrafos aos fãs.

No Mulher e Ponto, teremos no sábado dois debates: Polêmica e atualidade no discurso feminino - As questões da mulher deixam o livro e ganham visibilidade na mídia e A Voz Feminina na Literatura Brasileira - O que diz, o que quer, quem é a escritora brasileira que faz sucesso com as leitoras, às 17h e 19h30, respectivamente. Já no domingo, Cora Rónai é a mediadora da sessão Blog é Livro? - O crescimento do livro virtual atrai escritoras e leitoras às 19:30h.

No Café Literário, sábado e domingo, das 12h às 19h, haverá bate papos sobre temas variados com autores nacionais e internacionais, entre eles Zuenir Ventura e David Wroblewiski.

Leia mais sobre: Bienal do Livro

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.