O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, negou hoje que o formato do PAC 2 obrigue o próximo presidente da República a dar continuidade ao Programa de Aceleração do Crescimento. Não é obrigado a dar continuidade não, disse durante entrevista coletiva após o lançamento do PAC 2.

De acordo com ele, se o próximo presidente discordar da importância do PAC, ele poderá fazer um pronunciamento público informando que não dará continuidade ao programa. "Ele pode até lançar o PEC ou o PIC, se quiser", ironizou o ministro, brincando com as siglas do PAC.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.