A Alemanha inicia nesta sexta-feira a construção do primeiro monumento em memória dos 250.000 a 500.000 ciganos assassinados pelos nazistas na Europa.

De forma simbólica, as obras serão inauguradas exatamente 66 anos depois de uma ordem de deportação dos ciganos de 11 países da Europa assinada por Heinrich Himmler, o chefe das SS, organização paramilitar nazista responsável pelos massacres nos países ocupados.

Em um decreto publicado em 8 de dezembro de 1938, Himmler definiu este povo como um "inimigo biológico, de raça estrangeira e de sangue estrangeiro".

Durante a Segunda Guerra Mundial, entre 250.000 e 500.000 dos quase 700.000 ciganos que vivian na Europa foram exterminados.

Os números imprecisos são explicados pela falta de documentos.

Na classificação racial nazista, os ciganos eram considerados "híbridos" e seu caráter nômade era definido como uma "degeneração".

Para o Terceiro Reich, estes eram argumentos suficientes para justificar a esterilização e deportação para o campos de concentração, onde foram exterminados ou serviram de cobaias para os experimentos médicos dos cientistas nazistas.

gsw/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.