RIO DE JANEIRO ¿ Seis testemunhas de acusação de um processo contra o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, irão depor nesta segunda-feira, às 13h, no 3º Tribunal do Júri, no centro do Rio. A audiência é referente a um processo de 2002, no qual o traficante responde por homicídio qualificado.

Acordo Ortográfico

De acordo com a assessoria do Tribunal de Justiça, ainda não há informações sobre a chegada de Beira-Mar ao Rio. Ele está preso desde julho do ano passado na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Campo Grande (MS). A previsão é que o traficante fique nesse presídio até julho de 2009.

Sentença

Em agosto, Beira-Mar foi condenado pelo 2ª Vara Federal Criminal de Curitiba a 29 anos e oito meses de reclusão. Sua nova pena foi

AE

Beira-Mar responde por homicídio qualificado

concedida no processo referente à Operação Fênix, da Polícia Federal.

A sentença diz que o traficante, mesmo preso, comandava a quadrilha com a ajuda de advogados e parentes, notadamente de sua mulher, Jacqueline Moraes da Costa, que transmitia os recados nas visitas ao preso.

Segundo a decisão judicial, de doze apreensões de drogas e armas feitas durante as investigações, o material de seis foi enviado pela quadrilha.  O material apreendido totalizava 462 quilos de cocaína, 26 quilos de maconha, 21quilos de crack, 5 quilos de haxixe, duas metralhadoras, dois fuzis, duas pistolas e 1.477 cartuchos de munição.

Dos 21 denunciados, 15 foram condenados, entre eles, a mulher de Beira-Mar. Na lavagem de dinheiro, o grupo utilizava duas empresas em nome de familiares do traficante localizadas no município de Duque de Caxias (RJ).

A sentença decretou o confisco de treze veículos, uma lancha, um avião, US$ 134,4 mil e seis imóveis, entre os quais a fazenda Campanai, que Beira-Mar mantinha no Paraguai.

Veja também:

Leia mais sobre: Fernandinho Beira-Mar


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.