O traficante Luís Fernando da Costa, o Fernadinho Beira-Mar, ganhou mais um ano de permanência no Presídio Federal de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, e sob o RDD (Regime Disciplinar Diferenciado). Segundo o juiz corregedor da penitenciária, Odilon de Oliveira, o retorno de Beira-Mar para um presídio estadual é um risco altíssimo para a ordem pública de todo o País.

No próximo dia 25, o preso completará o período máximo de permanência no sistema carcerário federal, que são dois anos. Essa condição lhe daria o direito de ser transferido para Bangu I. Porém, seguindo orientações da 5ª. Vara Federal do Rio de Janeiro, o magistrado resolveu promover a reinclusão de Beira-Mar, no presídio.

A medida é justificada na carta precatória enviada para Campo Grande, destacando tratar-se de "pessoa de alta periculosidade". Sobre o regime diferenciado, Odilon explicou que Beira-Mar ficará em cela especial, terá apenas duas visitas semanais de parentes ou advogados, acompanhados por servidores do presídio e nos banhos de sol, não poderá ficar junto com presos que estão fora do RDD.

Odilon de Oliveira informou também que enviou ofício para o Departamento Penitenciário Nacional solicitando que o órgão requisite a Força Nacional de Segurança, para substituir os agentes grevistas do Presídio Federal de Campo Grande. São 237 agentes penitenciários federais envolvidos no movimento iniciado no último dia 3, em protesto contra perdas salariais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.