Bebê é sequestrado após desocupação em favela de São Paulo

SÃO PAULO - A dona de casa Josiele do Espírito Santo da Cruz, de 26 anos, que está entre as 570 famílias despejadas da Favela Olga Benário na segunda-feira, teve a filha caçula, a recém-nascida Amanda, levada no início da noite da última quarta-feira por uma mulher que dizia querer ajudar.

Redação com Agência Estado |

"Meu bebê tinha aparecido na TV para convencer o governador da nossa situação precária". Há poucas informações sobre a criminosa. Ela tem cerca de 1,60m, cabelo preto, entre 25 e 30 anos, é branca e, segundo Josiele e outras pessoas que a viram, tinha boa aparência, era articulada e se apresentou com o nome de "Meretriz".

AE
Josieli do Espírito Santo e o marido, Edno Vargas, mostram foto da criança


A mulher chegou a uma unidade da Igreja Adventista do Sétimo Dia, no Capão Redondo, que acolheu algumas famílias despejadas, dizendo-se voluntária. Pelos relatos, procurou diretamente o bebê. "Ela perguntou de quem era o bebê que tinha aparecido na televisão. Foi aí que ela se aproximou de mim", relata a mãe da criança.

Oferecendo-se para comprar remédios, a mulher levou a mãe e o bebê à farmácia. Após o cartão da suspeita ser recusado, as duas saíram do local e andaram até o ponto de ônibus. Quando Josiele parou para conversar com uma conhecida, a suspeita colocou a criança no colo dizendo que iria comprar balas. Depois de alguns minutos, a mãe do bebê procurou pela desconhecida, mas não a encontrou.

O caso foi registrado no 47º Distrito Policial, no Capão Redondo, e até ontem não havia pistas do paradeiro da criança. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia também:

Leia mais sobre: sequestro

    Leia tudo sobre: seqüestradorseqüestro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG