Beatriz Segall cobra proteção aos bens públicos em SP

SÃO PAULO - A atriz Beatriz Segall, de 82 anos, que foi nora do pintor de origem lituana Lasar Segall, contou que estava chegando em casa quando alguém ligou no seu celular, no trânsito. ¿Disseram que haviam roubado a Pinacoteca. Eu até estava com esperança de que fosse engano, mas aí você me ligou, e agora eu vejo que é sério¿, disse a atriz, que foi casada com Mauricio Segall, filho do pintor.

Agência Estado |

Quando houve o roubo ao Masp, em 20 de dezembro, Beatriz foi uma das pessoas célebres que vieram a público pedir providências. É um descalabro, uma falta de respeito com a cultura brasileira! Está na hora de um grito popular, exigindo providências imediatas!, disse, na época.

Ontem, três criminosos roubaram quatro obras da Estação Pinacoteca avaliadas em R$ 1 milhão. Levaram 'Mulheres na Janela' (1929), óleo sobre cartão de Di Cavalcanti; 'O Pintor e seu Modelo' (1963), gravura de Pablo Picasso; 'Minotauro, Bebedouro e Mulheres' (1933), outra gravura de Picasso; e 'Casal' (1919), guache sobre cartão de Lasar Segall.

Beatriz conta que teve contato recentemente com a obra 'O Casal', de 1919, quando gravou um especial para a TV Cultura sobre a pintura de Lasar Segall. É uma obra importante, porque temos pouca coisa desse período, ela ponderou. Não tenho atração especial por esse quadro, mas tenho pela obra inteira dele. Acho que é um retrato do Brasil essa falta de segurança, afirmou.

Segundo a atriz, ser alvo de crimes não é exclusividade dos museus, mas o assalto foi a um bem público, e isso é o mais chocante. Acho que a gente está completamente abandonada em matéria de segurança, tanto os nossos bens quanto os nossos bens públicos. Assaltos, nós sofremos todos os dias, mas alguém tem de tomar uma providência, e tem de ser rápida, disse.

Leia também:

Leia mais sobre: Pinacoteca

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG