Battisti deve ficar preso até fevereiro

Presidente do STF, Cezar Peluso, quer relatório de Gilmar Mendes sobre o caso Battisti. Tema deve ser retomado em fevereiro

Severino Motta, iG Brasília |

Cesare Battisti deve permanecer no presídio da Papuda, em Brasília, pelo menos até fevereiro. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cezar Peluso, pedirá ao ministro Gilmar Mendes, relator do processo na Corte, que dê um parecer sobre a decisão presidencial, avaliando se a mesma está de acordo com o tratado de extradição entre Brasil e Itália.

Ao iG , Gilmar Mendes disse que somente após o recesso do judiciário, em fevereiro, irá iniciar a análise do caso. O material deve ser apreciado, posteriormente, pelo plenário da Corte, que vai decidir sobre a liberdade de Battisti.

Divisão no STF

A permanência de Battisti na prisão não agradou o ministro Marco Aurélio Mello – um dos vencidos no julgamento do STF que acabou em cinco a quatro pela extradição de Battisti. Para ele, a soltura deveria ser imediata.

“É hora de colocar o homem na rua. Como a prisão partiu do STF para viabilizar a extradição, não tem mais como ficar preso uma vez que o presidente decidiu que não haverá extradição”, disse.

Ao comentar a decisão de Lula no caso Battisti, Marco Aurélio disse estar se sentindo de “alma lavada”, visto que ele havia defendido a permanência do italiano no Brasil por entender que os crimes por ele cometidos forma políticos, e não comuns.

    Leia tudo sobre: agubattistiextradiçãoluladecisãostf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG