Todo o contingente do Tiro de Guerra, em Araraquara (273 quilômetros a noroeste de São Paulo) foi mobilizado nesse final de semana para combater o Aedes aegypti, transmissor da dengue. A cidade registrou 622 casos da doença este ano e enfrenta uma situação de epidemia.

No sábado, cerca de cem soldados percorreram os bairros da zona norte da cidade à procura de focos do mosquito e possíveis criadouros.

Na Chácara Flora, local afastado do centro da cidade, os soldados do exército encontraram dezenas de criadouros. O bairro não tem ruas asfaltadas e as casas são, em sua maioria, pequenas chácaras que passam a maior parte do tempo fechadas. Foram encontradas larvas do mosquito em piscinas, caixas d’água destampadas e poços abandonados.

Em uma chácara, aparentemente abandonada, os soldados localizaram mais de dez criadouros. Dentro da casa, os cômodos haviam sido usados para a criação de galinhas. Da criação, restaram apenas a sujeira e recipientes com água contaminada. Na mesma região da Chácara Flora, o bairro Santa Angelina lidera as notificações de dengue na cidade. Até agora 54 casos foram registrados no local.

Nesta semana, os soldados do Tiro de Guerra devem voltar à região para finalizar o trabalho de bloqueio aos criadouros. A doença, no entanto, não atinge apenas os bairros mais afastados. No centro da cidade, 53 casos já foram confirmados. No mapa das notificações afixado em uma das paredes da sede da Vigilância Epidemiológica, a distribuição dos casos é homogênea. No Pronto-Socorro Municipal, a procura por atendimento aumentou cerca de 20% com a eclosão da epidemia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.