O quilômetro 80 da rodovia estadual PE-60, no município de São José da Coroa Grande, no litoral sul pernambucano, foi interditado hoje, por mais de 10 horas, por um grupo de cerca de 70 pessoas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Armados de foices, facões e machados, eles montaram duas barricadas, às 8 horas, e queimaram pneus, troncos e galhos de árvores, em fogueiras que foram sendo alimentadas por todo o dia.

Só saíram com a intervenção do Batalhão de Choque da PM, por volta das 18h30. A pista foi liberada cerca de meia hora depois.

Acampados há sete anos no Engenho Manguinhos, uma área emblemática de conflito agrário - na avaliação do promotor agrário estadual Edson Guerra -, eles não se conformam com a decisão do Incra (Instituto de Colonização e Reforma Agrária) estadual que, há cerca de dois meses, considerou as terras do engenho impróprias para reforma agrária por se localizar em área de preservação ambiental. Os sem-terra exigiam a presença de representantes do Incra, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), e do órgão estadual do meio ambiente (CPRH) no local, a cerca de 120 quilômetros do Recife.

"Eles estavam irredutíveis", afirmou o comandante do 10º Batalhão da Polícia Militar, que compreende a zona da mata sul, coronel Chusa Júnior. "Tentei viabilizar negociações por telefone, mas eles não aceitaram, exigiam que os representantes viessem até aqui". Diante do impasse, os trabalhadores só saíram à noite, com a ação de policiais Batalhão de Choque da Polícia Militar. De acordo com Chusa Júnior, a demora para a retirada foi motivada pela necessidade de negociação para que não houvesse conflito. "Eles estavam armados", lembrou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.