Base de Kassab veta abertura de CPI da Merenda

SÃO PAULO - A base governista na Câmara Municipal de São Paulo enterrou nesta terça as possibilidades de criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigaria as fraudes na compra de merenda escolar para a rede paulistana de ensino. No Colégio de Líderes, ficou acertado pelos partidos que não sai a CPI da Merenda ou nenhuma outra que possa trazer algum inconveniente ao prefeito Gilberto Kassab (DEM).

Agência Estado |

Foram aprovadas três comissões: IPTU, Poluição do Córrego Jurubatuba e da Pedofilia.

Ficou determinado que também não prosperaria o requerimento de criação de comissão para apurar irregularidades no fornecimento de alvarás para templos religiosos.

Momentos depois, em plenário, a base governista acatou a decisão e aprovou criação da CPI do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). A ação foi bastante rápida, com a oposição tentando obstruir a sessão e sem os votos necessários para brecar a máquina governista. Kassab conseguiu 37, ante 15 votos contrários.

O líder do governo, Jose Police Neto (PSDB), disse que não houve manobra, mas otimização do trabalho da Câmara. Para Police Neto, nos dois últimos anos os problemas de merenda já foram investigados na Casa em uma CPI e em uma subcomissão.

O tucano defendeu a CPI do Jurubatuba. O Município está prestes a perder R$ 1 bilhão da terceira fase do Projeto Tietê, se não detectar de onde vem o esgoto despejado no rio. Por isso é importante investigar a poluição na cidade, principalmente na bacia do Jurubatuba, onde há maior volume de esgoto, afirmou. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia também

Leia mais sobre: merenda escolar

    Leia tudo sobre: merenda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG