Base aliada define nomes para presidência e relatoria da CPI da Petrobras

BRASÍLIA - A base aliada fechou um acordo para indicação dos cargos de direção da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras. Para a relatoria da CPI, o indicado foi o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e, para presidência, João Pedro (PT-AM).

Agência Brasil |


A informação foi dada por Jucá, que pretende apresentar o plano de trabalho para a CPI somente na primeira quinzena de agosto. Vou fazer um plano de trabalho para apresentar na primeira quinzena de agosto. Fui surpreendido pela escolha, só fui comunicado hoje, disse Jucá.

Com a instalação da comissão, começa a apresentação de requerimentos, que poderão ser feitos inclusive durante o período de recesso parlamentar. O líder do governo, no entanto, considera mais prudente que os integrantes da CPI aguardem a apresentação do seu plano de trabalho.

O Regimento Interno do Senado permite a apresentação dos requerimentos independentemente da proposta de trabalho do relator. Por isso, comentou Jucá, é como diz o ditado: você apresenta o que quiser e leva o que puder.

Entenda a CPI

A CPI criada para investigar irregularidades na Petrobras contou com o apoio de 30 senadores, três a mais que o número mínimo necessário para a criação de uma Comissão de Inquérito. O autor do pedido é o senador tucano Álvaro Dias (PSDB-PR).

Em seu requerimento, Álvaro destaca os seguintes pontos a serem investigados:

  • Indícios de fraudes nas licitações para reforma de plataformas de exploração de petróleo apontados pela operação Águas Profundas da Polícia Federal;
  • Graves irregularidades nos contratos de construção de plataformas, apontados pelo Tribunal de Contas da União;
  • Indícios de superfaturamento na construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, apontados por relatório do Tribunal de Contas da União;
  • Denúncias de desvios de dinheiro dos royalties do petróleo, apontados pela operação Royalties, da Polícia Federal;
  • Denúncias de fraudes do Ministério Público Federal envolvendo pagamentos, acordos e indenizações feitos pela ANP a usineiros;
  • Denúncias de uso de artifícios contábeis que resultaram em redução do recolhimento de impostos e contribuições no valor de R$ 4,3 bilhões;
  • Denúncias de irregularidades no uso de verbas de patrocínio da estatal.


A CPI vai ter 180 dias para realizar seus trabalhos, podendo ser prorrogada por igual período. 

Leia também:

Opinião

Leia mais sobre: CPI da Petrobras

    Leia tudo sobre: cpicpi da petrobrasgovernosenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG