Barrichello deixa indefinição de lado e se concentra no GP

Por Camila Moreira SÃO PAULO (Reuters) - Rubens Barrichello decidiu deixar de lado as preocupações com o seu futuro na Fórmula 1, embora o Grande Prêmio do Brasil possa ser a sua última corrida, para se concentrar em tentar tirar o máximo de seu carro.

Reuters |

Na primeira sessão de treinos livres desta sexta-feira, o piloto da Honda fez o 14o melhor tempo, 1min13s676, e pela tarde cravou 1min13s221, a 16a melhor volta da sessão.

"Tem negociações com outras equipes, mas tem que esperar, não vai ser nada decidido este fim de semana. Estou pensando na minha corrida, no que posso fazer, se consigo fazer uns pontinhos, mas só. É só isso que eu tenho para pensar nesse fim de semana", disse ele, que ainda não renovou seu contrato com a escuderia.

Mais uma vez Barrichello lutou com o carro na pista, e acha que será bastante complicado avançar para a segunda etapa da classificação de sábado, que definirá o grid de largada para domingo.

"Como esperávamos, o carro tem problemas de performance. Faremos o nosso melhor para maximizar os dados que conseguimos hoje, mas será um grande trabalho avançar para o Q2 amanhã. Não tem muito o que tirar desse carro", afirmou.

Barrichello decidiu aproveitar o GP Brasil para usar nesta sexta-feira um capacete em homenagem a Ingo Hoffmann, piloto brasileiro com 12 títulos da Stock Car que decidiu se aposentar.

"O Ingo Hoffmann sempre foi um personagem importante na minha carreira. Foi ele que me deu meu primeiro capacete, e era laranja, então o laranja do meu capacete sempre foi aliado àquele primeiro capacete. Quando soube que ele ia parar de correr, nada mais justo que essa homenagem", explicou.

Nelsinho Piquet, da Renault, também teve problemas para se acertar em uma pista que conhece muito pouco. Ele foi o oitavo mais rápido na primeira sessão, com 1min13s378, e o sétimo na segunda, com 1min12s703.

"Dei muitas voltas hoje, que era o que eu queria já que precisava encontrar os limites do circuito. As informações iniciais que temos são interessantes, mas a pista estava muito escorregadia e acho que ainda posso encontrar um pouco mais de velocidade e melhorar o acerto do carro com meus engenheiros", avaliou ele.

"Esse final de semana acho que está um pouco mais difícil, infelizmente. A gente não está rápido como esteve alguns finais de semana atrás. Se a gente melhorar o carro da noite para o dia, talvez possa se tornar um pouco mais fácil."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG