Disposta a se mudar para o Brasil, a haitiana Linia Pierre Louis, de 31 anos, lançou-se em novembro na maior aventura que enfrentara até então

selo

Disposta a se mudar para o Brasil, a haitiana Linia Pierre Louis, de 31 anos, lançou-se em novembro na maior aventura que enfrentara até então. Ao pegar um avião em Porto Príncipe, capital haitiana, rumo à República Dominicana, iniciou uma viagem que ainda a levaria a outros quatro países, mas que seria interrompida a poucos metros de chegar ao quinto e último do roteiro, o Brasil

Leia também:
Após nova regra, Brasil só concede 30% da cota de vistos a haitianos
Haitianos refugiados no Acre são enviados a SP e Porto Alegre

A haitiana Linia Pierre Louis
BBC
A haitiana Linia Pierre Louis

Em Santo Domingo, capital da República Dominicana, Linia entrou em outro avião rumo ao Panamá, de onde decolou em seguida para Quito.

Na capital equatoriana, na companhia de outros oito haitianos que desconhecia, partiu para uma longa e extenuante viagem por terra, de ônibus: primeiro rumo à Colômbia, depois até o Peru. Após dois dias, finalmente alcançou a cidade peruana de Iñapari, na fronteira com o Acre.

"A viagem foi muito cansativa, meus ossos doíam", ela conta à BBC Brasil.

No momento em que o grupo foi atravessar a pé a divisa, porém, policiais brasileiros o barraram. Ela diz que eles lhe explicaram que, por não portarem passaporte, não conseguiriam entrar em hipótese alguma.

Mais:
Por uma vida melhor: Cidade do Acre recebe 550 refugiados do Haiti em 10 dias
Refugiados do terremoto: Manaus vira "eldorado" para haitianos no Brasil
Novos imigrantes: Veja como vivem e onde moram os estrangeiros no Brasil
Visita: Governo anuncia viagem de Dilma a Cuba e ao Haiti

'Tão perto'
O grupo então se dividiu: enquanto alguns resolveram permanecer em Iñapari para tentar ingressar no dia seguinte, Linia iniciou com outros dois a longa viagem de volta até Quito, de onde pegou o avião para Porto Príncipe.

"Fiquei triste, estava tão perto do Brasil, mas o que poderia fazer? Sabíamos que existiam riscos."
Felizmente, ela tinha como pagar o deslocamento: carregava alguns milhares de dólares na bolsa, resultado de vários anos de economia e que planejava usar para se instalar em São Paulo, seu destino final, onde pretendia trabalhar como cabeleireira.

Em todo o percurso, de ida e volta, diz ter gasto cerca de US$ 3 mil, dos quais quase dois terços em passagens áreas.

O restante bancou as passagens de ônibus, hospedagem e alimentação. Linia afirma que viajou por conta própria e que não teve de recorrer a "coiotes", indivíduos que cobram para levar imigrantes sem vistos até a fronteira brasileira.

De volta a Porto Príncipe, não desistiu de seu objetivo: em fevereiro, visitou a embaixada brasileira para se informar sobre como entrar no Brasil legalmente.

Documentação
Informada pela atendente sobre a possibilidade de obter um visto permanente, graças a resolução recente do Conselho Nacional de Imigração (CNIg) que autorizou a concessão de cem permissões mensais a haitianos que queiram morar no Brasil, se animou.

Agora diz que correrá atrás da documentação necessária para obter o visto: passaporte, comprovante de residência no Haiti e atestado de bons antecedentes.

Só com o visto em mãos avaliará como regressar ao Brasil: se a combinação avião-ônibus se provar mais barata que ingressar no país de avião, diz que repetirá o trajeto.

Mas por que migrar para o Brasil e não para outros países que acolhem haitianos há mais tempo, como os Estados Unidos ou a República Dominicana?

"Sempre gostei do Brasil e ouvi dizer que lá está melhor para trabalhar. Mas se não der certo, vou para outro país."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.