Bares de São Paulo adotam campanha sobre lei que proíbe o fumo

SÃO PAULO - A Associação de Gastronomia, Entretenimento, Arte e Cultura da Vila Madalena (Ageac), na zona oeste da capital paulista, vai colocar a ¿mão no bolso¿ para não perder aqueles clientes que não ficam sem cigarro. A estratégia da entidade, que reúne cerca de 80 estabelecimentos localizados na região mais badalada da cidade, é investir R$ 30 mil para uma campanha de conscientização sobre a lei antifumo.

Agência Estado |

A ideia é que os frequentadores sejam informados que fumar dá multa ao empreendimento, sem que eles desapareçam dali.

Chamada de Vila Legal, a campanha já foi elaborada e um dos primeiros passos será personalizar os garçons com figurino contra tabaco.

Os profissionais vão usar bottons com a mensagem obrigado por não fumar, serão orientados sobre como abordar os clientes e também vão receber treinamento de uma ONG especializada em brigar com o cigarro, a Aliança de Controle do Tabagismo (ACT). Fizemos várias reuniões e decidimos que vamos apoiar a lei, até em respeito à saúde dos funcionários, afirma Mário Natividade, diretor da Ageac.

Mas como há um temor em perder a clientela e nós só podemos contar com as nossas próprias pernas e não as do governo, decidimos que é preciso investir em educação. Panfletos e camisetas também serão distribuídos.

A corrida para convencer a população precisa surtir efeito até 6 de agosto, quando os fiscais passam a multar o estabelecimento que não apagar o cigarro. O valor da pena ficará entre R$ 720 e R$ 3 mil, custo que dobra na reincidência e será arcado pelo dono do local. No terceiro flagrante, as atividades serão suspensas por 48 horas e na quarta vez em que for flagrado, a suspensão ficará em 30 dias - prazo que poderá ser prorrogado. As informações são do jornal " O Estado de S. Paulo".

Leia mais sobre : lei antifumo

    Leia tudo sobre: lei antifumo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG