Greve completa 14 dias nesta segunda-feira, paralisando cerca de 9 mil agências de bancos públicos

O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf), reúne-se nesta terça-feira, às 10h, em São Paulo, para avaliar a greve e ampliar o movimento. Segundo a confederação, a ampliação da greve é uma resposta ao “silêncio” da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), braço da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) dedicado a negociações trabalhistas.

Leia também: Greve dos bancários fecha 45% das agências no País

Greve dos bancários fecha 45% das agências do País
AE
Greve dos bancários fecha 45% das agências do País
A greve começou no dia 27 de setembro e completa 14 dias nesta segunda-feira, paralisando cerca de 9 mil agências de bancos públicos e privados. Segundo a Contraf, a paralisação começou após as assembleias dos sindicatos rejeitarem a proposta de reajuste salarial de 8%, que representa 0,56% de aumento real. Desde o início da greve, nenhuma nova proposta foi feita pela Fenaban.

Outra greve: Grevistas dos Correios se reúnem para decidir rumos da paralisação

A categoria reivindica reajuste de 12,8% (5% de aumento real mais a inflação do período), valorização do piso, aumento da participação nos lucros e resultados (PLR), mais contratações, fim da rotatividade, combate ao assédio moral, fim das metas consideradas abusivas, mais segurança nas agências, igualdade de oportunidades e melhoria do atendimento aos clientes.

Na última sexta-feira, a Fenaban disse, por meio de nota, que “fez duas propostas completas visando a acordo com os bancários e colocou-se à disposição do movimento sindical para tratar de eventuais acertos que fossem necessários. Portanto, não há razão para que a federação apresente nova contraproposta como querem os sindicalistas. O que se espera, agora, é que sejam discutidos os ajustes que levem ao acordo”.

O que fazer?
Está aguardando entregas dos Correios? Conheça seus direitos
Greves dificultam pagamento de contas, mas não servem de desculpa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.