BRASÍLIA - A bancada de Santa Catarina está numa corrida em busca de recursos para amenizar os estragos causados pelas fortes enchentes que assolam a região. Por um lado a senadora Ideli Salvatti (PT) vai pedir ao presidente Lula mudanças no decreto que regulamenta os saques do Fundo de Garantia do Trabalhador Social (FGTS). Por outro, o presidente da Comissão Externa da Câmara que acompanha a tragédia, deputado Paulo Bornhausen (DEM), vai levar o relator-geral do orçamento, senador Delcídio Amaral (PT-MS), ao Estado. A idéia é sensibilizá-lo para realocar recursos e destiná-los à reconstrução dos municípios atingidos.

Acordo Ortográfico

De acordo com Bornhausen, a situação em algumas cidades é "de guerra" e em determinadas regiões "sequer vai ser possível recolher os corpos". Ele comentou que, além dos valores já destinados ao Estado através de uma medida provisória publicada nesta quinta, é preciso assegurar recursos no orçamento de 2009 para a reconstrução do Porto de Itajaí, rodovias e pontes, entre outras obras de infraestrutura que vão se fazer necessárias. 

"Na sexta-feira da semana que vem nós vamos levar o relator do orçamento para Santa Catarina, para que ele possa ver, in locu, o que está acontecendo com o Estado", disse. 

Bornhausen comentou que a partir da semana que vem somente o relator é capaz de fazer alterações no orçamento. "Ele vai ter que calibrar as emendas da bancada e assegurar recursos para a reconstrução do Estado. Adequar o orçamento para a realidade atual, uma vez que quando a peça foi construída ainda não havia ocorrido as enchentes", explicou. 

Em relação ao FGTS, a senadora Ideli se reuniu no início da tarde com a presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Maria Fernanda Ramos, e descobriu que duas ações que pleiteia para auxiliar a reconstrução dos municípios não podem ser tomadas somente pelo banco. 

Uma delas é baixar de 12 meses para zero o tempo necessário entre a realização de saques do Fundo. Isso porque, caso algum trabalhador tenha sacado seu benefício, por exemplo, um mês antes da catástrofe, não o poderá fazer de novo. Para a redução é preciso que o presidente Lula altere o decreto que regulamenta os saques do FGTS. 

Outro ponto que somente Lula pode alterar é a ampliação do valor máximo de saques, que atualmente está em R$ 2,6 mil. Em reunião com o presidente nesta tarde, Ideli vai pedir que um novo valor de 10 salários mínimos seja fixado para as vítimas das enchentes. 

Durante a reunião Ideli foi informada sobre ações que a Caixa já está tomando para auxiliar na reconstrução das cidades atingidas. Entre elas constam a ampliação no prazo de financiamento para Construção de 48 para 60 meses ¿ contando ainda com carência de 180 dias. 

O envio de 10 engenheiros para o Estado, visando desburocratizar a agilizar a liberação de recursos de quem possui seguro habitação. Ampliação de linha de crédito para a aquisição de imóveis na planta e também para habitações rurais. 

A Caixa também anunciou que mobilizou gerentes para abonar juros sobre contas que teriam sido pagas em agências alagadas e que está coletando doações em suas unidades espalhadas pelo Brasil e as despachará para Santa Catarina através de seus malotes.

Leia também:

Vídeos

Leia mais sobre: Santa Catarina

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.