Bahia promove policiais acusados e condenados

A publicação de decreto no Diário Oficial da Bahia do fim de semana, autorizando a promoção por antiguidade ou por merecimento de 417 agentes da Polícia Civil do Estado, causou confusão na administração baiana. Quatro dos listados foram condenados pela Justiça no último ano e pelo menos outros três respondem processos penais.

Agência Estado |

Os casos mais rumorosos são do o investigador Herielson Lopes Santos, nomeado detetive, e o detetive Márcio Antônio Freire Bastos, promovido a inspetor, condenados em agosto do ano passado a 15 anos e dois meses de prisão por tráfico de drogas, roubo de veículos e extorsão, e aguardam julgamento de recurso.

A secretaria não admite o erro. Apesar disso, o governo do Estado anunciou hoje que vai tornar sem efeito as promoções de Santos e Bastos, além das dos agentes Jomário Jorge Freitas de Souza e Hércules Oliveira da Silva, que foram condenados a quatro anos de prisão no ano passado por tortura, e também recorrem em liberdade. Freitas foi promovido por merecimento, de detetive para inspetor. Silva, por antiguidade, de investigador para detetive.

A suspensão dos quatro benefícios será publicada no Diário Oficial de amanhã e, segundo a assessoria de comunicação do governo, será mantida até que a Procuradoria Geral do Estado emita parecer sobre a situação dos agentes acusados. Segundo o delegado-chefe da Polícia Civil, Joselito Bispo, a decisão do governo foi tomada por causa da gravidade das acusações contra os policiais.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG