Pressão popular colaborou para fim de greve na Bahia

"Estávamos sendo jogados contra a sociedade", disse o líder sindicalista dos PMs Ivan Leite

AE |

selo

Um dos líderes sindicais dos policiais militares da Bahia, Ivan Leite, admitiu que a pressão popular foi determinante para a decisão da categoria de voltar ao trabalo. Os PMs decidiram, em assembleia na noite de sábado, encerrar a paralisação , que já durava 12 dias.

Leia também:
- Salvador tenta entrar na rotina do carnaval
- Greve afasta visitantes dos pontos turísticos de Salvador
- Número de homicídios reduz pouco na Bahia com greve mais fraca

"Estávamos sendo jogados contra a sociedade", ressaltou. Segundo ele, o fim da greve foi negociado com o governo. "Estive à tarde com o comandante-geral da PM (Alfredo Castro) e conseguimos a anistia administrativa para toda a tropa grevista. Isso foi crucial para o fim do movimento." Na sequência, Castro veio a público e negou qualquer acordo ou reunião. "Já tínhamos dado a anistia para quem não se envolveu em crimes até sexta-feira. E o ponto de quem faltou na sexta e hoje (ontem) será cortado." 

Na prática, segundo o comandante, os sindicalistas aceitaram na íntegra a proposta salarial apresentada pelo Estado desde terça-feira. Eles terão 6,5% de aumento retroativo a janeiro (mesmo reajuste definido para todo o funcionalismo), além do pagamento da Gratificação por Atividade Policial do nível 4 (em novembro e abril de 2013) e do nível 5 (a ser paga em 2014 e 2015). 

A proposta de obter anistia ou afrouxamento dos mandados de prisão dos líderes grevistas - cinco já cumpridos - saiu definitivamente da pauta. Oito sindicalistas ainda são considerados "foragidos".

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Leia tudo sobre: greve pmgreve na Bahia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG