Planos inclinados de Salvador sofrem com panes e descaso

Ascensores históricos fazem a ligação entre as partes alta e baixa da capital baiana. Moradores e turistas são prejudicados

Thiago Guimarães, iG Bahia |

Thiago Guimarães/iG
Entrada do plano inclinado Liberdade-Calçada: a prefeitura não sabia que ele estava funcionando
O elevador Lacerda, de 1873, não é o único modo de subir da Cidade Baixa para a Cidade Alta de Salvador. Há ainda três planos inclinados, como os aparelhos são conhecidos, que unem apelo turístico e serviço à população local – transportam 471 mil pessoas por mês. Os equipamentos, no entanto, sofrem com panes e interrupções constantes.

Leia também: Salvador faz aniversário em meio a caos nas suas contas

A reportagem do iG visitou os três planos inclinados de Salvador na tarde de quinta-feira (4). Apenas um, o Liberdade-Calçada, que liga os dois bairros, estava funcionando. Detalhe: segundo nota da prefeitura divulgada no dia anterior, esse ascensor havia apresentado defeito em uma das rodas e só voltaria a funcionar na segunda-feira (8).

Thiago Guimarães/iG
Teias de aranha em um dos motores do plano inclinado Liberdade-Calçada
“Muita gente veio aqui perguntar: ‘não falaram que só voltaria na segunda-feira’? Eu disse que não sabia de nada, só que estava funcionando”, disse uma bilheteira do plano, que preferiu não se identificar. Segundo ela, o equipamento realmente tivera uma pane, mas voltou a circular na manhã de quinta (4) – o trajeto custa R$ 0,15.

A reportagem procurou a assessoria da Transalvador, autarquia municipal de trânsito responsável pela operação dos ascensores. O órgão reconheceu que desconhecia a informação – uma hora depois do contato, às 17h08 de quinta (4), divulgou a informação sobre a retomada do serviço.

Os problemas não se resumem ao plano Liberdade-Calçada, inaugurado em 1981 e afastado da região turística. Os outros dois ascensores, mais antigos e atrativos aos visitantes, estão parados há meses.

“O plano está parado há mais de três meses, e ninguém sabe o porquê”, reclamava Marivaldo Silva, 36 anos, mecânico em oficina vizinha ao plano inclinado do Pilar. Ligação entre o bairro do Comércio e o Santo Antônio, o ascensor ficou sem funcionar por 22 anos e foi reinaugurado em 2006. Eletrificado em 1910, o ascensor de 71 metros está fechado há cerca de quatro meses, após suspensão de contrato com empresa prestadora de serviço.

Thiago Guimarães/iG
Visão interna do plano inclinado Pilar: ele costumava transportar 700 pessoas ao dia. Agora, está parado
Morador de um barraco vizinho ao plano, Tarcísio Oliveira, 24 anos, reclamava da falta de mobilidade diante da falha geológica que divide Salvador em Cidade Alta e Cidade Baixa. “Para tudo tenho que usar o plano, comprar pão, ir à escola”, disse. O caminho alternativo implica em 20 minutos de ladeira em meio a uma favela.

O plano inclinado Pilar, que costumava transportar 700 pessoas ao dia, também fica próximo à área de desembarque de cruzeiros marítimos. “Os gringos que chegam de navios e querem subir ficam todos ‘esbarrados’ aqui”, disse um funcionário de uma transportadora.

Thiago Guimarães/iG
Faixa no largo em que se situa o plano Gonçalves. Ao fundo, a entrada do equipamento
Protesto

A situação mais crítica, contudo, é a do plano inclinado Gonçalves, fechado desde o início do ano. O equipamento foi construído no século 19, e funcionou por manivelas de 1889 a 1910 – depois passou a usar eletricidade. De longe, já é possível ver faixas e cartazes afixados por comerciantes que protestam contra a queda no movimento causada pela interrupção do serviço.

“Queda de 60% nas vendas prejudicam os comerciários e o comércio. Funcionamento já”, é a inscrição em uma faixa exposta no – vazio – largo que termina no plano. Presos às grades que impedem a entrada no local, outros cinco cartazes e uma faixa de protesto.

“Está todo mundo perdendo vendas, e empresários estão colocando funcionários na rua”, disse o vendedor de roupas Carlos Costa, 43 anos, que ao avistar a reportagem logo sacou um “dossiê” com cópias de reportagens antigas sobre a paralisação do equipamento e promessas de retomada do serviço pela prefeitura.

Segundo a assessoria da Transalvador, o plano Gonçalves está parado porque um prédio de 1911 que fica no topo da encosta apresentou rachaduras e pode ceder. Informou ainda que o equipamento, e também o plano Pilar, passam por revitalização e serão reabertos até o final de outubro deste ano.

A solução passa ainda pela melhora do principal ascensor entre as cidades Alta e Baixa de Salvador. No último dia 29 de junho, uma pane elétrica no elevador Lacerda , um dos principais cartões postais da cidade, deixou dez passageiros presos por 15 minutos, e ainda há relatos de problemas frequentes no local.

Thiago Guimarães/iG
Tarcísio Oliveira, 24 anos, que sofre com a interrupção do plano inclinado Pilar

    Leia tudo sobre: plano inclinadobahiasalvador

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG