Jaques Wagner copia Bush e lança baralho com rosto de procurados

Um dos criminosos, que representava “Ás de Ouros”, foi detido nesta semana

Thiago Guimarães iG Bahia |

O governo da Bahia lançou nesta quinta-feira (2) um baralho e um jogo da memória na internet com imagens dos criminosos mais procurados no Estado.

O anúncio foi feito durante divulgação de resultados de operação que terminou com a prisão de Fagner Souza da Silva, o “Fal”, um dos criminosos mais procurados no Estado. Detido em São Paulo, ele representava o “Ás de Ouros” do baralho.

Divulgação/Governo da Bahia
Baralho do governo da Bahia com os rostos das pessoas procuradas pelo Estado

A tática baiana repete ação da gestão George W. Bush (2001-2009) no governo dos EUA. Durante a invasão do Iraque, em 2003, ele distribuiu um baralho com os integrantes mais procurados do regime de Saddam Hussein. O ex-ditador e seus filhos representavam os ases do conjunto de cartas.

Com a prisão de Fal, assume o posto de “Ás de Ouros” o traficante conhecido como Elias, com atuação na região do Nordeste de Amaralina, uma das áreas mais perigosas de Salvador.

“É uma técnica utilizada pelo exército americano em regiões de guerra, como Iraque e Afeganistão, para identificação dos criminosos”, disse o secretário da Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa. O baralho, em forma de jogo da memória, pode ser acessado no site da secretaria .

A operação que prendeu o traficante Fal deteve ainda outras 11 pessoas, seis delas em São Paulo – a secretaria da Segurança paulista também participou da ação. A operação recebeu o nome de “Gênesis”, referência à origem do tráfico. Os presos seriam integrantes das facções criminosas aliadas PCC (Primeiro Comando da Capital), de São Paulo, e Comando da Paz, da Bahia.

O grupo é apontado como responsável pelo envio à Bahia de 200 quilos de pasta base de cocaína por mês. De acordo com o governo baiano, Fal chegou a oferecer R$ 500 mil a policiais para não ser preso.

Cerca de 140 policiais civis e militares participaram da operação, que visa cumprir 16 mandados de prisão e outros 16 de busca e apreensão, em Salvador e em São Paulo. A ação visa ainda contribuir para o combate ao tráfico na região do Nordeste de Amaralina, que irá receber a segunda base comunitária de segurança, a UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) baiana, da gestão Jaques Wagner (PT).

    Leia tudo sobre: violênciabahiasalvadorbaralho

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG