Governador da Bahia vê 'atos condenáveis' em greve da Polícia Militar

Para Jaques Wagner, os policiais "difundiram medo na população"; em 16 horas, ao menos 20 pessoas foram assassinadas em Salvador

iG São Paulo |

O governador da Bahia Jaques Wagner (PT) fez um pronunciamento em rede estadual de rádio e TV nesta sexta-feira para falar sobre as providências que o governo adotou para conter os atos de violência que se espalharam pelo Estado depois da greve de policiais militares .

O governador afirmou que policiais utilizaram "métodos condeáveis"  e "difundiram medo em meio à população". 

Em 16 horas, entre 00h12 e 16h, foram registrados 20 homicídios em Salvador e região metropolitana.

Entre as medidas adotadas, 2.350 militares do Exército, Marinha e Aeronáutica reforçam a segurança pública estadual. Neste sábado (4), chegarão mais 600 homens.

“Estamos tomando todas as providências para garantir a segurança dos nossos cidadãos”, disse Wagner, que também pediu a todos os policiais que retomem os trabalhos.

AE
Agentes da Força Nacional na chegada a Salvador

Criminalidade: Em meio à greve da PM, Salvador tem 18 homicídios em seis horas

Saques: Com a PM em greve, bandidos saqueiam lojas na Bahia

Segundo Wagner, o governo agiu imediatamente “para conter as ações de um grupo de policiais que, usando métodos condenáveis e difundindo o medo na população, chegou a causar desordem em alguns pontos do nosso Estado”. O governador disse não aceitar que “um pequeno grupo, de forma irresponsável, cometa atos de desordem para assustar a população”.

Wagner ressaltou que homens da Força Nacional de Segurança e das Forças Armadas já estão nas ruas . Segundo ele, 12 mandados de prisão foram emitidos.

Sobre as negociações com as associações que têm legitimidade para representar a corporação, o Wagner afirmou que o Governo sempre esteve aberto para o diálogo. “Foi com democracia que garantimos conquistas importantes como o aumento real do salário, investimos na compra de quase três mil viaturas e mais de nove mil homens foram incorporados ao efetivo policial”.

O governador enfatizou ainda que os gestores estaduais, ele inclusive, têm a consciência de que é preciso melhorar as condições de trabalho das polícias. “Vamos seguir em frente trabalhando com muita determinação para garantir a segurança pública e a tranquilidade do povo baiano”. Para o governador, “a PM do estado da Bahia, centenária milícia de bravos e defensora da paz, não pode se transformar num instrumento de intimidação e desordem”.

    Leia tudo sobre: greve polícia militarwagner

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG