Avós da Praça de Maio lançam livro sobre recuperação de identidades na Argentina

A presidente da organização Avós da Praça de Maio, Estela Barnes de Carlotto, apresentou hoje em Madri um livro sobre a restituição da identidade a crianças tiradas de pessoas desaparecidas durante a ditadura argentina (1976-1983).

AFP |

O livro intitulado "Comisión Nacional por el Derecho a la Identidad. El trabajo del Estado en la recuperación de los jóvenes apropiados en la última dictadura militar", recorda a história dessa Comissão (Conadi) estatal.

"O texto surgiu desse grupo de mulheres, as Avós, que se uniram na desgraça, trabalhando em risco permanente para avançar na luta pela verdade, justiça e a memória", disse Carlotto.

"A Conadi foi criada em 1992 por iniciativa das Avós da Praça de Maio, que sempre acreditaram que um governo democrático tinha a obrigação de recomponer uma sociedade maltratada", acrescentou.

O objetivo da Comissão era buscar crianças e bebês desaparecidos durante a ditadura militar e devolver-lhes a verdadeira identidade; até o momento foram recuperados 88 jovens.

O livro relata como as crianças foram tomadas como "trunfo de guerra" articulando-se uma rede de tráfico de bebês por parte do Estado, que mantinha com vida as mães grávidas até que dessem à luz.

A apresentação do livro na Espanha acontece no dia seguinte em que o poeta argentino Juan Gelman recebeu o prêmio Cervantes, o maior das letras hispânicas, acompanhado por sua neta Macarena, uma das jovens que conseguiu recuperar sua identidade em 2000.

A jovem, de 31 anos, é filha de Marcelo Gelman, assassinado em Buenos Aires em 1976 e de María Claudia García, desaparecida a partir desse ano. Ela nasceu em cativeiro e foi dada em adoção no Uruguai, onde vive atualmente.

gr/esb/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG