Apesar das restrições à Rua Santa Leocádia, na zona norte de São Paulo, cerca de 150 curiosos se revezaram ao longo do dia nas imediações do Residencial London para tentar acompanhar o trabalho dos peritos ontem durante a reconstituição da morte da menina Isabella Nardoni. Entre eles estava, anônimo, João Arcanjo de Oliveira, pai de Ana Carolina de Oliveira, mãe da menina.

O avô materno de Isabella observava a movimentação de um posto de gasolina em frente à rua do crime. Acompanhado por um casal, só foi embora, sem dar declarações, após ser identificado pela reportagem.

O isolamento do público, distante 40 metros do espaço reservado à imprensa, o bloqueio aéreo de 1,5 quilômetro e o excessivo aparato policial garantiram relativa tranqüilidade na apuração da morte da menina. O número de policiais mobilizados também colaborou - cerca de 100 garantiram o trabalho dos peritos, sendo 32 PMs e o restante policiais civis, incluindo 40 homens do Grupo de Operações Especiais (GOE). Uma equipe ficou no terraço do London com binóculos e equipamentos de rapel. Atiradores de elite ainda ocuparam um prédio vizinho em construção. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.