Aviões sobrevoam espaço aéreo de Dacar em buscas do voo AF 447

Por Fernando Exman RECIFE (Reuters) - Aeronaves da FAB iniciaram nesta quarta-feira as buscas dentro do espaço aéreo sob controle de Dacar por corpos e destroços do avião da Air France que caiu no oceano Atlântico, devido a correntes marítimas, afirmaram oficiais do comando de buscas.

Reuters |

"As aeronaves já estão lá, os navios só (irão) a partir do momento que tivermos pontos avistados", disse o tenente-coronel da FAB Henry Munhoz. As autoridades não informaram, no entanto, se foram avistados mais corpos de vítimas do acidente, além dos 41 já resgatados.

As operações de busca foram expandidas para uma região ao norte de onde se concentravam, a cerca de 1.350 quilômetros a nordeste de Recife, devido às correntes marítimas. As autoridades brasileiras receberam autorização do Senegal para atuar na área.

Os primeiros 16 corpos resgatados do mar, que passaram por uma perícia inicial em Fernando de Noronha, serão levados nesta tarde por um avião da FAB a Recife, onde serão identificados. Os outros corpos também serão transferidos de Noronha para a capital pernambucana.

As equipes do Brasil e da França resgataram até terça-feira 41 corpos das vítimas do acidente com o Airbus A330 que tinha 228 pessoas a bordo.

A Força Aérea e a Marinha disseram que 25 corpos resgatados do mar pela fragata brasileira Bosísio estão a caminho de Fernando de Noronha, para onde foram levados na terça-feira os 16 primeiros corpos encontrados.

"A Fragata Bosísio segue em direção a Fernando de Noronha e deverá chegar nesta quinta-feira, 11 de junho, ao local em que os 25 corpos, a bordo, serão recolhidos por helicópteros da FAB", informaram a Marinha e a Aeronáutica em comunicado.

SUBMARINO: BUSCAS POR CAIXAS-PRETAS

O submarino nuclear francês Émeraude começou nesta quarta-feira a procurar as caixas-pretas do avião que caiu no oceano Atlântico na noite de 31 de maio durante a rota Rio-Paris, de acordo com os militares franceses.

Se as peças forem localizadas, submarinos-robôs não-tripulados a bordo do navio de exploração e pesquisa francês Pourquoi Pas, que também está ajudando nas buscas, poderão ser usados para resgatar as caixas-pretas.

Segundo fonte envolvida nos trabalhos de buscas, navios franceses envolvidos na operação carregam 40 toneladas de equipamentos norte-americanos com o objetivo de encontrar a caixa-preta do Airbus.

"A busca da caixa-preta sempre é de interesse dos governos para que sejam investigadas as causas dos acidentes e a prevenção seja feita, e não da companhia aérea, pois pode mostrar falha de aparelhos ou de manutenção das aeronaves", explicou a fonte, sob condição do anonimato.

De acordo com a FAB, a meteorologia indica que o tempo e a visibilidade devem piorar no local das buscas, mas por enquanto não comprometem as atividades.

Além do submarino e dos navios, a França também enviou peritos para trabalharem na identificação dos corpos que chegarem ao IML do Recife. Os exames de DNA, quando houver necessidade, serão realizados no laboratório da Polícia Federal em Brasília.

As causas do acidente permanecem sem explicação. Segundo investigadores, uma falha nos sensores de velocidade por ter tido participação preponderante na tragédia, mas outras hipóteses não são descartadas.

Segundo o site da revista L'Express, serviços de informação franceses disseram que havia dois nomes suspeitos entre os passageiros a bordo do voo. Autoridades francesas não confirmaram a informação.

Os destroços do avião recolhidos do mar serão repassados à França, responsável pela investigação da tragédia.

(Reportagem adicional de Gerard Bon em Paris; Edição de Pedro Fonseca e Maria Pia Palermo)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG