Avião da FAB vai ao Suriname resgatar brasileiros

Um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) segue amanhã para Paramaribo para buscar brasileiros feridos, vítimas do ataque em Albina, no Suriname. De acordo com Itamaraty, cinco brasileiros com ferimentos mais graves e que necessitam de tratamento de urgência serão transportados para Belém.

Agência Estado |

Além deles, brasileiros que não estão feridos, mas manifestaram desejo de voltar ao Brasil também serão transportados para Belém.

Segundo o Itamaraty, neste grupo estão cerca de 17 brasileiros. Médicos e funcionários da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres seguirão no voo para Paramaribo para dar assistência aos feridos e às mulheres vítimas de violência sexual.

As questões operacionais do voo foram acertadas hoje em reunião no Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI) com representantes do Itamaraty, da Força Aérea Brasileira (FAB), Polícia Federal e Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

O Itamaraty divulgou uma nota sobre a situação dos brasileiros no Suriname, na qual afirma não haver confirmação de mortes entre as vítimas do ataque em Albina.

Segue a íntegra da nota do Itamaraty:

"Situação dos brasileiros no Suriname

A Embaixada do Brasil em Paramaribo vem prestando apoio às vítimas brasileiras dos ataques da madrugada de 24 de dezembro e continua a buscar informações. Até o momento, não há confirmação oficial de nenhum óbito.

Em sua grande maioria, os brasileiros que vivem na região de Albina trabalham em garimpos no interior do Suriname e da Guiana Francesa e costumam passar semanas na floresta, incomunicáveis. Por esse motivo, é necessário aguardar antes de considerar "desaparecido" qualquer desses cidadãos.

Dos 25 brasileiros feridos dos quais havia informações, 20 já receberam alta. Cinco ainda estão internados e deverão ser levados para Belém em voo da FAB nesta quarta-feira, dia 30.

Os brasileiros transferidos de Albina para Paramaribo estão instalados provisoriamente em hotéis na capital e poderão também ser transportados para o Brasil, caso expressem esse desejo.

Em reunião com o Embaixador do Brasil, a Chanceler do Suriname, Lygia Kraag, expressou, em nome do Presidente Ronald Venetiaan, a profunda desolação do Governo do Suriname em relação ao ocorrido. Manifestou a perplexidade do povo e do Governo do país com o fato de um desentendimento individual ter gerado convulsão desse porte. Declarou que o Governo tomará todas as providências necessárias para que fato similar não mais venha a se repetir. A Chanceler transmitiu a mesma mensagem, por telefone, ao Ministro interino das Relações Exteriores, Embaixador Antonio de Aguiar Patriota."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG