média diária de mortes causadas pela polícia é a maior entre os últimos cinco governos (Marcelo Alencar, Anthony Garotinho, Benedita da Silva, Rosinha Garotinho e Sérgio Cabral)." / média diária de mortes causadas pela polícia é a maior entre os últimos cinco governos (Marcelo Alencar, Anthony Garotinho, Benedita da Silva, Rosinha Garotinho e Sérgio Cabral)." /

Aumento de mortes em confronto com polícia é resultado de política de enfrentamento, diz Cabral

RIO DE JANEIRO - O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, disse nesta segunda-feira que o grande número de mortes em supostos confrontos com a polícia (os chamados autos de resistência) em seu governo é resultado de uma política de enfrentamento aos criminosos. Reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo mostra que a http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/11/09/em+11+anos+rio+registra+10+mil+mortos+em+confrontos+9048985.htmlmédia diária de mortes causadas pela polícia é a maior entre os últimos cinco governos (Marcelo Alencar, Anthony Garotinho, Benedita da Silva, Rosinha Garotinho e Sérgio Cabral).

Agência Brasil |


Cabral citou como exemplo de sua política os confrontos entre policiais e criminosos nos Complexos do Alemão e da Penha, em 2007, quando, durante cerca de dois meses, dezenas de pessoas morreram, entre elas, alguns inocentes vítimas de balas perdidas. Em apenas um dia, 19 pessoas foram mortas pela polícia.

AE
Policiais durante operação no Rio

Policiais durante operação no Rio

O falso clima de paz que prevalecia no Rio, nós acabamos no início do governo. Quando fizemos uma operação aqui no Alemão, algumas lideranças de movimentos não governamentais vieram me procurar e eu declarei, em alto e bom som, não tem acordo. Não tem acordo no nosso governo. Ponto final, disse Cabral.

Mesmo depois de dois meses de operações quase diárias, em 2007, e das pequenas operações feitas pela polícia desde então, os Complexos do Alemão e da Penha continuam sendo dominadas por quadrilhas que vendem drogas e que controlam o território com a ajuda de armas longas, como fuzis e metralhadoras.

Leia mais sobre violência no Rio de Janeiro

    Leia tudo sobre: violência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG