Atividade baixa e IPCA sob controle permitem juro menor

Por Renato Andrade SÃO PAULO (Reuters) - A redução no ritmo de atividade econômica e a expectativa de inflação sob controle devem abrir espaço para que o Banco Central retome o ciclo de corte da taxa básica de juro ao longo de 2009 e 2010, mostra pesquisa divulgada nesta segunda-feira.

Reuters |

De acordo com o levantamento feito pelo próprio BC com analistas e empresas no país, a taxa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) deve ser de apenas 2 por cento este ano, abaixo dos 2,40 por cento estimados na pesquisa anterior.

Para 2010, os analistas apostam em um crescimento de 3,80 por cento. Essa foi a primeira previsão apurada pelo BC para o comportamento da economia brasileira no próximo ano.

Em paralelo ao quadro de desaceleração da atividade, os analistas apostam em um cenário de preços sob controle.

Para 2009, a aposta continua sendo de alta de 5 por cento do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador usado como referência para a política de metas de inflação do governo.

Olhando para o próximo ano, os analistas acreditam que o IPCA terá alta de 4,5 por cento, ficando portanto dentro do centro da meta de inflação definida pelo governo.

A conjugação deste dois fatores --atividade mais fraca e inflação sob controle-- deve garantir ao BC a retomada dos cortes do juro já a partir deste mês.

Os analistas consultados pelo BC esperam um corte de 0,50 ponto percentual na taxa Selic, que está atualmente em 13,75 por cento, na reunião que o Comitê de Política Monetária (Copom) realiza na próxima semana.

Para o final do ano, a projeção indica um juro de 11,75 por cento, abaixo dos 12 por cento estimados no levantamento anterior. Ao longo de 2010, a taxa deve cair novamente, fechando o ano em 11,25 por cento.

Os analistas acreditam que o dólar estará valendo 2,30 reais ao final do ano, levemente acima dos 2,25 reais projetados na pesquisa passada. Na sexta-feira, a moeda fechou cotada a 2,272 reais para venda.

Para 2010, a projeção indica que o dólar estará valendo 2,25 reais.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG