Não é só o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que vê com simpatia as propostas do governo paraguaio de reavaliação da dívida da obra da hidrelétrica de Itaipu e dos preços da energia que vende ao Brasil. O assunto tem sido debatido no interior de vários movimentos populares, entidades sindicais e organizações católicas.

O interesse é tão grande que até o PT, por meio da sua Secretaria de Movimentos Populares, vai organizar um debate sobre a questão.

A data e o local ainda não foram definidos, mas é provável que ocorra no final de fevereiro, na cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná, na região da hidrelétrica, com a presença de representantes paraguaios. “Há muito interesse por esse debate”, diz o secretário do setor de Movimentos Populares do PT, Renato Simões. “A crise econômica mundial deve tornar mais agudos os problemas do nosso vizinho e nós não podemos ficar alheios a isso."

A lista das entidades que têm debatido Itaipu inclui desde a Central Única dos Trabalhadores (CUT) - a maior do País, ligada ao PT - à Comissão Pastoral da Terra (CPT), vinculada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Assessores dessas duas organizações dizem que elas ainda não definiram que partido vão tomar, mas admitem que estão discutindo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.