Astro pornô japonês de 75 anos é inspiração para idosos

Por Kim Kyung-Hoon ICHIKAWA, Japão (Reuters Life!) - Ele é um típico homem de terceira idade: os poucos cabelos que tem são brancos, e ele usa dentadura.

Reuters |

Mas Shigeo Tokuda, de 75 anos, estava num set de filmagens na segunda-feira usando apenas sunga e quimono de seda, prestes a fazer sexo diante das câmeras com uma mulher mais jovem do que sua filha.

Tokuda é o mais velho astro do cinema pornô japonês e estava rodando seu filme mais recente, em que faz o papel de mestre do sexo.

O diretor disse que os filmes mostram às pessoas que a velhice não precisa ser sinônimo de fim da vida sexual, e, nos 16 anos passados desde que começou a fazer esse tipo de filme, Tokuda já atuou com mulheres de todas as faixas etárias, desde 20 anos até sua própria idade.

"Comecei a atuar aos 59 e já trabalhei em mais de 200 filmes pornôs," disse ele, usando seu nome artístico, não o nome real, na entrevista concedida no próprio set de filmagem.

"Eu quis contestar a idéia do que as pessoas comuns não fazem sexo, então resolvi ser ator pornô."

Em seu novo filme, ele usou vibradores, chicotes e velas para mostrar o mestre satisfazendo uma atriz de 36 anos. O filme não tinha roteiro.

Tokuda ingressou na indústria pornográfica já com certa idade. Depois de formar-se numa das faculdades de elite de Tóquio, ele viveu a típica vida de um funcionário de escritório japonês, trabalhando como agente de viagens.

A segunda opção profissional surgiu porque ele estava insatisfeito com as tramas de filmes pornô que tinha visto. Isso levou a uma discussão com um produtor de cinema sobre se ele próprio poderia fazer algo melhor.

Tokuda levou alguns anos refletindo sobre o assunto, mas acabou por tirar as calças diante da câmera.

Desde então ele se tornou figura popular nos filmes pornô no Japão, cuja população se encontra em processo acelerado de envelhecimento e onde a expectativa de vida é longa. Um em cada cinco japoneses tem mais de 65 anos de idade.

"Os homens mais velhos, vendo o que Tokuda consegue fazer, acham que eles também podem. Os idosos se sentem seguros e encorajados quando assistem a seus filmes", comentou Gaichi Kono, diretor do filme mais recente de Tokuda.

A professora de bem-estar social Chineko Araki, da Universidade Den-en Chofu, disse que os idosos japoneses rejeitam a idéia de que envelhecer significa diminuir seu ritmo de vida.

"Mais de 50 por cento dos homens de mais de 65 anos querem relacionar-se sexualmente com suas parceiras", disse ela em entrevista.

Os filmes de Tokuda começarão em breve a ser oferecidos em lares de idosos no Japão, e há a possibilidade de serem exportados e exibidos na Internet.

Tokuda disse que sua mulher e filha fingem que não sabem o que ele faz e que seus amigos nunca vão adivinhar.

"Mas meu trabalho me mantém vivo", disse ele, acrescentando que pretende continuar pelo menos até os 80 anos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG