Associação dos Delegados nega caráter partidário da greve

BRASÍLIA - O presidente da Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol), Carlos Eduardo Benito Jorge, rebateu na tarde desta sexta-feira as afirmações do governador José Serra, que alegou existir motivações partidárias na manifestação realizada pela Polícia Civil (PC) nesta quinta, que acabou num confronto com a Polícia Militar (PM) nas proximidades do Palácio dos Bandeirantes. Carlos ainda disse que um novo conflito pode acontecer caso o governo não amplie as negociações com a PC.

Severino Motta - Último Segundo/Santafé Idéias |

"Não é um movimento político. Desde fevereiro nós estamos avisando o governo, que se nega a conversar com a classe. Espero que não existam outros conflitos, se o governo tiver bom senso não vai haver. Mas se não tiver podemos ter um novo incidente", disse. 

O presidente da Adepol fez um apelo para que o governo amplie os canais de negociação com os grevistas da Polícia Civil. Ele comentou que o conflito desta quinta poderia ter sido evitado caso "existisse diálogo". 

"O governo diz que não negocia com a categoria em greve. Nós suspendemos 48h e ninguém negociou. Nós queremos uma proposta digna para os trabalhadores, se ficar nos 6,2% oferecidos pelo governo não haverá sequer a reposição da inflação", pontuou.

Leia mais sobre: greve

    Leia tudo sobre: greve

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG