Associação Comercial de São Paulo vai protestar contra IPTU

Empresários e entidades do setor imobiliário ouvidos pelo Estado são contra o aumento de IPTU. Mesmo aqueles que normalmente se alinham com as decisões da atual gestão municipal parecem discordar dos reajustes sugeridos.

Agência Estado |

A Associação Comercial do Estado de São Paulo (ACSP), por exemplo, interpreta a iniciativa da Prefeitura como abusiva. "Qualquer aumento nos impostos deve ter razões plausíveis ou cria uma reação contrária da sociedade", diz Alencar Burti, presidente da instituição.

Para a ACSP, as justificativas apresentadas para os aumentos não são corretas. "Não dá para dizer, por exemplo, que o ajuste deve ser feito porque houve valorização dos imóveis", defende Burti. "Apartamentos e casas podem valer mais, porém, seus proprietários não tiveram aumentos da ordem de 40% ou 60% em suas rendas para arcar com as propostas da Prefeitura." A instituição planeja se unir a outros órgãos descontentes para promover protestos públicos na semana que vem. "As empresas acabam de sair de uma crise mundial e muitas ainda não têm estrutura para bancar mais impostos", diz Burti.

O Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP) também não concorda com a medida. "A Prefeitura fala que o aumento condiz com a melhora dos serviços municipais", afirma João Crestana, presidente do Secovi-SP. "Mas não houve uma melhora compatível com os reajustes propostos, de até 60%." Para o Secovi-SP, se os imóveis têm se valorizado nos últimos anos é por consequência de iniciativas privadas, que construíram shoppings e bairros planejados, e não por empreitadas públicas.

Crestana acredita que a Prefeitura vai desistir da decisão de aumentar o IPTU. "A proposta foi feita de forma impositiva, sem consultar a população", afirma. "Por muito menos, acrescentamos taxa no nome de outros prefeitos." Ele faz referência ao apelido Martaxa, dado à prefeita Marta Suplicy quando ela criou, entre outras cobranças, o IPTU progressivo, em 2001.

A Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo (Aabic) diz que o aumento vai afetar negativamente o mercado imobiliário. "Muitos inquilinos não renovarão contratos porque a elevação do IPTU será integrada aos aluguéis", diz Eduardo Zangari, diretor de Locação da instituição. "E ainda será mais difícil locar imóveis vagos, porque seus aluguéis ficarão maiores."

A Aabic ainda não vê lógica na elevação de até 60% do tributo. "Faltam razões técnicas, plausíveis e condizentes com a realidade da população", protesta Zangari.

    Leia tudo sobre: iptu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG