Associação a Lula marca convenção do PT em SP

A união de seis partidos (PT, PC do B, PDT, PSB, PTN e PRN) já no primeiro turno das eleições municipais de São Paulo, os desentendimentos entre a cúpula tucana na capital paulista e, principalmente, a associação dos feitos do governo Lula marcaram a convenção que oficializou hoje a candidatura da petista Marta Suplicy para a prefeitura da cidade. É a segunda vez que ela tenta ocupar o cargo.

Agência Estado |

A convenção, realizada na tarde de hoje, reuniu cerca de 3 mil pessoas. Os políticos que estavam presentes e tiveram a chance de discursar não deixaram de ressaltar ações do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e dos benefícios para a cidade com uma parceria federal. Marta Suplicy, ao falar com o público, fez questão de ressaltar o vínculo de amizade com o presidente. "Posso destacar que sou companheira histórica do presidente Lula, que participei de seu governo e que conto com o seu apoio", afirmou no palanque, que trazia ao fundo uma imagem dela e do presidente.

Inclusão social

Ao apresentar, sem detalhes, o programa social para a cidade de São Paulo, a candidata fez novamente uma vinculação direta ao governo federal. "É um conjunto integrado de programas para colocar São Paulo na vanguarda social do País. E temos o apoio do governo federal, que é o governo que mais promove a inclusão social no Brasil", afirmou.

Outros políticos que passaram pelo palanque também fizeram a mesma associação. O presidente do Diretório Municipal do PT, José Américo Dias, ressaltou que São Paulo precisa estar em sintonia com o Brasil. "Nós últimos quatro anos tivemos um retrocesso em questões de todas as áreas. Precisamos pulsar no pulso do Brasil", disse.

O mesmo fez o senador Aloizio Mercadante (PT-SP) que afirmou, em seu discurso, que o PSDB não tem como comparar o que já fez como governo com as ações promovidas pelo governo Lula. "O segundo governo Lula está sendo muito melhor que o primeiro. E o segundo governo de Marta vai ser melhor."

União

Também presente do palanque, o presidente da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia (PT-SP), acredita que para vencer a disputa municipal, os demais candidatos têm pela frente um "desafio praticamente intransponível", que é vencer a candidatura que une seis partidos e que tem o apoio do presidente Lula. O presidente da Câmara aproveitou também para ressaltar os desentendimentos internos do PSDB. "Não é porque o PSDB e o DEM estão se desentendendo que vamos ganhar. Vamos eleger a Marta porque ela é melhor."

O candidato a vice na chapa encabeçada por Marta, o deputado federal Aldo Rebelo (PC do B-SP), ressaltou a decisão unânime dos seis partidos em fazer essa coligação para a disputa municipal.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG