Assessor de Dias dirá à CPI que Erenice organizou dossiê

O assessor do senador Álvaro Dias (PSDB-PR), André Eduardo Fernandes, vai sustentar em seu depoimento na terça-feira, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Cartões, que o ex-secretário de Controle Interno da Casa Civil José Aparecido Nunes Pires lhe disse que Erenice Guerra coordenou a coleta de informações e a montagem do dossiê com os gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e da ex-primeira-dama Ruth Cardoso. Erenice é secretária-executiva da Casa Civil e braço direito da ministra Dilma Rousseff.

Agência Estado |

André Fernandes também vai apresentar à CPI uma cópia dos e-mails trocados com Aparecido - que deixou o cargo na quarta-feira -, além da planilha remetida pelo ex-secretário. O assessor de Dias deixará o material à disposição dos parlamentares da CPI para eventual exibição no plenário da comissão.

Conforme apuração do jornal "O Estado de S.Paulo", o arquivo remetido por Aparecido a André não traz em seus registros o nome do autor da planilha com os dados do dossiê. Tem somente a identificação Casa Civil.

A menção ao nome de Erenice na CPI abre uma brecha para que a bancada oposicionista tente estender as investigações à principal assessora de Dilma, levando a própria ministra a se expor. A oposição já tentou convocar Dilma para depor, mas viu seus requerimentos barrados.

A expectativa é de que na terça, além do depoimento de André, a CPI também ouça Aparecido, conforme compromisso firmado por seu novo advogado, Luiz Maximiliano Telesca, com a comissão. Logo após a divulgação do laudo, André chegou a comentar com amigos próximos que, em sua avaliação, a remessa do dossiê parecia fazer parte de uma estratégia para chantagear ou intimidar a oposição. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia mais sobre: dossiê

    Leia tudo sobre: dossiê

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG