Publicidade
Publicidade - Super banner
Brasil
enhanced by Google
 

Assembléia aprova abertura de CPI das Milícias no RJ

A Assembléia Legislativa do Rio aprovou hoje a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar a atuação das milícias no Estado - formadas por policiais e bombeiros que cobram ilegalmente por serviços de segurança em favelas do Rio. A aprovação, que foi unânime, aconteceu quase um mês depois de uma repórter, um fotógrafo e um motorista do jornal O Dia serem torturados e espancados por um grupo de milicianos da favela do Batan (zona oeste da capital).

Agência Estado |

Não há números oficiais de comunidades tomadas pelas milícias no Estado, mas o texto que justificou a abertura da CPI informa que em 2007 pelo menos 92 comunidades foram identificadas.

A proposta da CPI foi encaminhada em fevereiro do ano passado à votação pelo deputado Marcelo Freixo (PSOL). "Na época, haviam mais de 30 pedidos de CPI e não conseguimos aprová-la. Agora, além de não ter nenhuma CPI em andamento, temos de admitir que, infelizmente, as milícias estão ganhando força e o tema está cada vez mais em pauta e de formas mais graves", afirmou Freixo, que já foi confirmado com presidente da comissão. Segundo o deputado, uma das primeiras ações que ele pretende propor é a criação de um telefone disque-denúncia para receber informações sobre o assunto.

"Não podemos expor os moradores dessas comunidades e essa seria uma forma segura de conhecermos melhor a realidade das milícias, o tamanho delas, a variedade de negócios ilegais que sustentam. O Rio vive hoje a mais grave crise na área de segurança de sua história e a Alerj precisa contribuir para solucionar esse problema. Não é uma CPI contra o governo, mas em defesa do Estado", disse o deputado. A única modificação no texto original votada no plenário que autorizou a criação da CPI foi o aumento de cinco para sete membros. Além de Freixo, já estão confirmados os deputados Gilberto Palmares (PT), como relator, e Paulo Mello (PMDB). A CPI será instalada até sexta-feira e os trabalhos devem começar já na semana que vem.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG