Artista plástico vai colocar coletes em estátuas de SP

Não fique espantado ao se deparar, a partir do dia 19, com a famosa estátua do Borba Gato, na Praça Augusto Tortorello de Araujo, usando um alaranjado colete salva-vidas. Não será a única.

Agência Estado |

Rui Barbosa, Duque de Caxias, José Bonifácio e Luís de Camões também receberão a "homenagem" em São Paulo. A irreverente iniciativa é mais uma intervenção urbana do artista plástico paulistano Eduardo Srur - que no início do ano colocou 20 garrafas PET gigantes nas margens do Rio Tietê, na zona norte de São Paulo.

Intitulada 'Sobrevivência', a montagem colocará 25 bóias em 16 monumentos. "Quero fazer as pessoas pensarem em resgatar o patrimônio público", explica. "Mas não só isso. Ao mesmo tempo, é preciso salvar a memória e os próprios sentidos de quem passa, anestesiado, pelas ruas." Feitos sob medida - o maior, com 6 metros de altura, é o do Borba Gato -, os coletes são de espuma, alumínio e náilon. Poderão ser vistos até o dia 14 de dezembro. O projeto é bancado pelo Centro Cultural Banco do Brasil.

Foram dois anos para que Srur conseguisse pôr a idéia em prática. Em maio de 2007, conseguiu implementar, digamos, uma versão reduzida do projeto. Durante a Virada Cultural, instalou os tais coletes no Monumento a Carlos Gomes, conjunto de obras de Luiz Brizzollara na Praça Ramos de Azevedo. "Para conseguir a autorização de todos os órgãos, precisei mostrar tanto o conceito do projeto quanto a minha pesquisa de arte no espaço público", conta Srur.

Depois do aval do Departamento de Patrimônio Histórico (DPH), do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) e da Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU), o artista decidiu explicar suas intenções aos herdeiros dos direitos das obras. "Felizmente, não tive nenhum problema", afirma.

    Leia tudo sobre: artes plásticas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG